Equador: Um destino incrível pouco visitado pelos brasileiros

Ao contrário do Chile e da Argentina que sempre estão presentes nos roteiros dos brasileiros, o Equador não é muito visitado ainda como destino de férias.

Mas saiba que o Equador guarda uma das melhores experiências em todo nosso continente.

Chimborazo é um estratovulcão no Equador. É a mais alta montanha do país e do mundo, se medida desde o topo até o centro da Terra. Foto retirada da Wikipedia

Não só por sua por suas atrações – sejam elas históricas ou naturais, mas principalmente pela população que dá um show de atenção e simpatia.

Pelas ruas de Quito! O melhor dos países visitados sempre é o seu povo! ❤️

Eu particularmente custei a ir, pois eu sempre aguardava o melhor momento para visitar as míticas Ilhas Galápagos, e sempre ia deixando o país para outro momento. Até que surgiu um voo direto de São Paulo a Quito, então não resistimos e lá fomos nós.

Sua capital, Quito foi uma grata surpresa. Seu centrinho histórico todo restaurado, ostenta com muita honra, o título de primeiro patrimônio cultural da humanidade, conquistado graças ao seu conjunto de casarões coloniais, ruas, museus e catedrais barrocas, além de excelentes restaurantes.

Igreja da Companhia de Jesus, construída entre os anos 1605 a 1765, e famosa pelo seu interior todo trabalhado e dourado.
A famosa Rua La Ronda, no Centro Histórico

Quito abriga a maior basílica neo-gótica da América, e seu desenho foi inspirado na Catedral de Notre Dame. Um detalhe interessante é que os gárgulas foram substituídos por animais da fauna local: iguanas, lagartos, preguiças, macacos, jacarés, tamanduás, etc. Muito Impressionante mesmo!

Basílica del Voto Nacional. Monumental igreja com construção inciada no séc XIX de estilo neo-gótico ornamentado e vista da cidade pelas torres.

Esse destino oferece muitas outras atrações além da capital, como por exemplo a Amazônia equatoriana, a linda Cordilheira dos Andes, além da magnífica Costa do Pacífico.

Amazônia equatoriana! Foto: Divulgação / Ministério do Turismo do Equador – MINTUR

E Cuenca ? Assim como Quito, é um real exemplo da arquitetura colonial espanhola muitíssimo bem preservada e também exibe o valoroso título de patrimônio mundial da Unesco.

Localizando o Equador:

O país está limitado a norte pela Colômbia, a leste e sul pelo Peru e a oeste pelo oceano Pacífico. É um dos dois países da região que não têm fronteiras com o Brasil, além do Chile.

Mapa retirado do site infoescola.com

Seu território é cortado ao meio pela imaginária linha do Equador.

Ele no hemisfério Norte e eu no Sul! Na metade do mundo, estamos a zero de latitude.

O país é o lar de uma grande variedade de espécies endêmicas. Esta diversidade de espécies faz do Equador ser considerado “O” país de maior biodiversidade do mundo por unidade de área. Interessante dizer que a nova constituição de 2008 é a primeira no mundo a reconhecer legalmente os direitos da natureza, ou dos ecossistemas.

Foto retirada da Wikipedia. Espécies endêmicas são espécies que ocorrem apenas em uma certa região geográfica.
Fofuras selvagens nas Ilhas Galápagos. Fotos retiradas da Wikipedia.

O país, que está localizado na região denominada “Cinturão de Fogo do Pacífico”, tem a famosa “Avenida dos Vulcões”. É uma estrada onde se avista 14 vulcões (entre ativos e adormecidos), com picos cheios ora de neve ora de lava, além de altitudes que chegam aos 6 310 m no vulcão Chimborazo, e o Cotopaxi (com 5897 metros).

Imagem retirada do site thisisecuador.com
Cotopaxi, foto retirada da Wikipedia. As montanhas exercem um certo fascínio em mim.

Um pouco da História do Equador:

Durante o período pré-inca, as pessoas viviam em clãs, que formavam grandes tribos, algumas aliadas entre si e outras rivais. Quando no século XV os incas tomaram a região e desenvolveram um extenso centro administrativo.

Grupo Andino de música. Equador

A expansão da civilização inca em direção ao norte do atual Peru durante o final do século XV encontrou resistência feroz de várias tribos nativas gerando muitos conflitos.

Em 1531, durante a Guerra Civil Inca, os espanhóis chegaram no Equador, e eram liderados por Francisco Pizarro.

Em Quito, esse conquistador montou uma armadilha para os incas e o Massacre de Cajamarca começou. As forças incas eram muito superiores aos espanhóis em quantidade, no entanto, a superioridade espanhola em armas, táticas e o fato do principal general inca estar em Cusco (na região do Peru) levou a uma derrota fácil e a captura do imperador inca.

Óleo sobre tela de Juan Lepiani que representa a captura de Atahualpa (imperador Inca) em Cajamarca. Essa pintura faz parte do acervo do museu de arte de Lima, Peru

Já a luta pela independência do país contra os espanhóis foi parte de um movimento em toda a América colonizada, liderada por crioulos (esse termo, na américa espanhola significa descendentes de espanhóis nascidos na América). Existiam vários privilégios para quem nascia na Espanha, em relação aos crioulos e isso foi o combustível da revolução contra o domínio colonial.

O Palácio de Carondelet é a sede do governo do Equador localizado no centro histórico de Quito e faz parte do espaço público da Plaza de La Independência.

Outra coisa que contribuiu também foi a invasão da Espanha por Napoleão Bonaparte, depois que ele depôs o rei Fernando VII e, em julho de 1808, colocou seu irmão, José Bonaparte, no trono espanhol.

Em 1822, forças locais se organizaram e derrotaram o exército monarquista se unindo à Grã-Colômbia, (república fundada por Simón Bolívar), da qual o Equador só veio a separar-se em 1830. A República do Equador foi um dos três países que emergiram do colapso da Grã-Colômbia em 1830, sendo os outros a Colômbia e a Venezuela.

Foto de um mural em restaurante no centro de Quito.

Quando ir ao Equador?

Nós passamos o período de carnaval lá, que foi no final de fevereiro e início de março.

Igreja de São Francisco no Centro de Quito. Atrás de mim está tendo uma movimentação carnavalesca, dá pra perceber? Do lado direito da foto tem uma moça com um spray de espuminha na mão e sabe qual é o nome dessa espuma aqui no Equador? CARIOCA! Hahaha.
Primeiro vimos essa placa surreal, depois perguntamos o que era, e aí descobrimos que era as espuminhas de jogar nas pessoas.

No dia que chegamos estava caindo uma garoa fina, mas no dia seguinte o tempo abriu. E em alguns dias também chovia no final da tarde, bem pouco. Eu confesso que nem vi a chuva nos outros dias, porque eu sempre estava no hotel nessa hora.

O país é visitável o ano todo, pois não tem grandes variações de temperatura ao longo do ano (mínimas perto de 10 graus e máximas próximas de 20 graus). E se você não quer pegar nem um pouco de chuva, Quito tem 4 meses de seca, que vai de junho a setembro.

Sol nascer lindo da janela do avião vindo de Quito. Detalhe para um rio bem comprido lá em baixo! 😊

Lembrando que mesmo que esteja friozinho, você deve se cobrir de protetor solar, pois, em função da altitude (2.850m acima do nível do mar) existe uma incidência direta dos raios solares na faixa equatorial. A capital equatoriana recebe níveis extremos de radiação solar, o que chega a atingir 24 UVI (Índice Ultra Violeta).

Ah, importante falar também sobre o tal do “soroche”, o famoso “mal da montanha ou mal da altitude”, que pra alguns a situação fica bem feia e para a grande maioria, é mais tranquila. Isso acontece em função da redução da pressão atmosférica e do oxigênio, à qual o organismo leva alguns dias para se adaptar quando chegamos a regiões muito altas.

Balanço no alto do Vulcão Pichincha, Quito a 4100 metros. Esse passeio é muito alto e a Iara não pôde ir porque era muito bebê. Eu subi primeiro de teleférico e depois foi o Fernando. Mas quando ele chegou aqui, estava absolutamente tudo nublado.

Os sintomas tendem a ocorrer horas após a chegada em alta altitude e incluem dor de cabeça, náuseas, falta de ar e incapacidade de se exercitar, podendo ser fatal.

O indicado nos primeiros dias é tomar muita água, evitar bebidas alcoólicas e alimentos muito gordurosos, além de sair por aí andando devagarinho pelas ruas.

Você costuma ir à algum lugar que tem propaganda de Oxigênio para vender? Como se fosse propaganda de refrigerante. Fiquei impressionada. Teleférico de Quito.

Como chegar ao Equador:

Nós viemos num voo direto de São Paulo e Quito pela Gol.

Apertadinhos no voo para Quito.

Acredito que atualmente seja necessário fazer pelo menos uma escala na Colômbia ou Peru, pela Avianca.

Veja aqui no Skyscanner a melhor opção para sua viagem.

Documentos necessários para visitar o Equador

Devido à existência de acordo do MERCOSUL sobre documentos de viagem, cidadãos brasileiros podem ingressar no país portando documento de identidade civil, sem necessidade de passaporte.

E também não precisa de visto. Lembrando que a foto do RG deve estar reconhecível. Eu nunca viajei para o exterior só com o RG.

Vale lembrar que o RG deve ter menos dez anos de emissão – documentos com mais tempo correm o risco de serem barrados, fique atento!

Leia maiores informações no site do Itamaraty.

Além disso é exigido também comprovante internacional de vacinação contra febre amarela.

Veja aqui como conseguir o seu certificado internacional de vacinação

E o Seguro Viagem?

Achamos bem seguro viajar pelo Equador e não nos sentimos inseguros em nenhum momento. Mas, precaução nunca é demais, então vale a pena ir com um bom Seguro Viagem.

Trata-se de ter uma garantia caso surja alguma emergência durante a viagem.

Imprevistos podem acontecer e ninguém quer passar por dificuldades fora do país, não é mesmo? É o famoso “eu pago pra não usar”.

Imagina você comer alguma coisa e causar alergia? Sempre contrate um seguro viagem! Pelas ruas do Centro Histórico de Quito, Equador.

O blog só recomenda produtos que a gente usa. Acesse aqui as melhores cotações dos seguros com desconto.

Por onde andamos no Equador:

Foram 5 noites em Quito, hospedados no Centro Histórico em “La Casona de la Ronda Heritage Boutique Hotel”.

Vista linda do nosso hotel!

Muitos blogs recomendam se hospedar no bairro Mariscal, mas como a maioria das coisas que queríamos ver e visitar era no centrinho preferimos ficar por lá mesmo.

Em Mariscal fomos um dia, para jantar e gostamos bastante do ambiente.

Guarde esse nome. Plaza Foch é um ponto de referência onde a maioria dos estrangeiros preferem ficar hospedados em Quito. “Foch Yeah”!

O nosso hotel escolhido foi sensacional. É um hotel exatamente do tipo que eu gosto.

Está situado numa residência com arquitetura e estilo colonial construída em 1738, com ambiente bonito e muito tranquilo, além de estar próximo de ótimos restaurantes e de atrações famosas.

Jardim de inverno em nosso hotel

Foi aqui que descobrimos o quanto os equatorianos são realmente atenciosos e hospitaleiros. Pra você ter uma ideia, eu perguntei se havia banheira de bebê no hotel, e a gerente disse que não, mas que iria providenciar. Resultado: em pouquíssimo tempo ela chegou com a banheirinha nova e minha bebê tomou banho nela todos os dias. A gerente disse que minha filha era a hóspede mais nova que ela já teve, e os garçons toda vez que viam a Iara lhe davam frutas e biscoitos. Definitivamente isso fez uma diferença absurda na nossa hospedagem. Guardamos ótimas lembranças.

Mesmo hospedados em Quito fomos até a cidade de Otavalo, em sua feira indígena super famosa, que aqui contei detalhes;

Artesanato na linda feira indígena de Otavalo

Passamos pela cidade de Cayambe que é cortada pela linha do Equador, tendo até um marco simbólico; andamos pela “Carretera Panamericana”, uma rodovia que sai lá da Argentina e vai até nada menos que o Alaska, passando pelo Canadá;

Além de visitarmos alguns outros lugares com belíssimas paisagens de vulcões e lagos.

Eu e uma coelhinha navegando pela Lagoa Cuicocha e vendo o imponente vulcão Cotacachi, Equador. 🌋

Aliás, reserve aqui seu hotel no Equador, você não paga mais por isso e ajuda o blog a se manter.

Que moeda levar para o Equador?

A moeda oficial do Equador é o dólar americano, então compramos no Brasil e viemos.

E fique atento: as moedas de centavos de dólar feitas no Equador valem apenas dentro do país e não são aceitas em outros destinos que usam o dinheiro norte-americano.

Além disso, o país não tem costume de aceitar o real, como acontece em outros países como Argentina e Chile, fazendo com que a conversão nunca valha a pena.

Os cartões de crédito são amplamente aceitos (exceto em feirinhas de artesanato).

Comidas e Bebidas típicas do Equador:

Essa é a melhor parte! Eu adoro viajar pra comer e experimentar toda a gastronomia disponível do país.

Acredito que experimentar as comidas típicas é uma deliciosa forma de entrar em contato com a cultura do país visitado. A gastronomia é um fenômeno social e cultural que, a partir das receitas passadas de geração para geração, conta a história e a herança daquela região, além de retratar a mistura de povos.

O cacau vem sendo cultivada por pelo menos três mil anos nessa região, como bebida e, depois, como alimentos. A bebida amarga chamada xocoatl, geralmente temperada com baunilha e pimenta. O xocoatl, acreditava-se, combatia o cansaço além de ser afrodisíaco.

Em especial a comida equatoriana está repleta de hereditariedade dos povos indígenas e tem como base diferentes batatas, milhos, e carnes.

A primeira iguaria experimentada foi o “Locro de Papas” ou “Locro quiteño”, uma tradicional sopa que mistura queijo, batata chola e abacate. Eu achei bem gostosa e adequado, pois em Quito estava fazendo frio, propício para tomar sopa.

Locro de Papas, restaurante excelente Casa Los Geranios

Para acompanhar pedimos também Empanadas, pois também é prato típico. O que percebemos é que as empanadas daqui possuem as massas variadas, como por exemplo de banana da terra, de milho, etc. Então comemos as empanadas de verde, de morocho e de viento.

Comemos também chips de banana, milhos torrados com um tempero muito gostoso e um ceviche.

Um “plato fuerte” (prato principal) que é super típico mas não comi aqui, e sim no Peru, foi o porquinho da Índia que eles chamam de Cuy. Esse roedor é um importante alimento da gastronomia andina, e não cabe a nós julgarmos já que aqui no Brasil tratamos o animal como bicho de estimação.

No país tem vários pratos que levam frango, peixes, mandioca, ovos e ervilhas.

Existe também um petisco de banana verde com recheio de “chicharrón”, ou seja, o nosso torresmo.

Já uma das bebidas tradicionais é o canelazo, feita com suco de frutas, canela, rapadura e aguardente. É servida quente, bem docinha. Uma delícia!

Aqui visitamos um dos melhores restaurantes que eu já fui na vida e ele merece destaque.

Ele chama Urko e escolhemos o menu degustação, que é voltado para as estações do ano e “consiste em uma viagem por todo o Equador”. Escolhemos as porções pequenas, foram servidos 12 ou 14 pratos, até perdi a conta, e ficamos totalmente satisfeitos (sem empanturrar).

No restaurante Urko, Quito, Equador. Detalhe para o quadro negro. Anaychay significa Gratidão ao Universo, por nos possibilitar essa troca de energia atraves da música, da arte, do respeito e do amor. Já Pachamama (“Mãe Terra”, na língua quéchua) é a divindade máxima das regiões andinas.

A comida é inovadora mas mistura o tradicional do país. Os ingredientes são muito originais, frescos, orgânicos, de produtores locais e bem preparados, além dos pratos terem uma ótima apresentação, parecendo uma obra de arte (sem exagero).

Olha só essa sobremesa! Dá até pena de comer. A Cruz Andina, também conhecida por chakana ou cruz Inca, é um símbolo primitivo dos povos andinos dos Andes Centrais.

A atenção aos detalhes dos pratos juntamente com uma explicação detalhada de cada um é exatamente o que procuramos em uma experiência gastronômica. Combinações extremamente originais.

Urko, cocina local.

Alguns pratos que foram servidos são : Sashimi de robalo, caldo de osso e cogumelo, Potato Tzintzo, ceviche de graviola, salame de llama (divertido dizer 3 vezes rápido), costela de boi e assim por diante, tudo era único e tudo muito, muito bom. Nós realmente amamos a comida, a experiência e recomendamos.

Detalhe para a hortinha linda no terraço, de onde vem todos os temperos, ao lado do bar.

No terraço! Visitando a horta do Restaurante

Além disso, atendimento perfeito em um ambiente descontraído, você pode se sentir absolutamente confortável aqui de jeans e tênis.

E como nem só de comida típica se vive em viagem, procuramos um restaurante japonês (uma das nossas gastronomias favoritas) para conhecer.

Fomos ao Osaka, pedimos o menu degustação, e achamos bem fusion food. Uma mistura de Peruano com Japonês que deu muito certo. Esse restaurante possui filiais em várias cidades do mundo, inclusive em São Paulo, Brasil.

Cozinha Fusion é resultado da globalização, do intercâmbio de ingredientes, da troca de experiências entre culturas, e geralmente é uma delícia.

O que comprar no Equador?

Mercado Artesanal La Mariscal, Juan León Mera, Quito 170509, Equador

Apesar de ter gente que acha o Equador barato, por ele ser dolarizado, não achei tão barato assim. Mas fiz boas compras.

Lojinha de artesanato no centro histórico de Quito

O Equador tem muitos artigos naturais e também artesanatos exclusivos e bonitos.

O país é grande produtor de chocolate e exporta bastante. Algumas das marcas mais conhecidas são as Republica del Cacao, Pacari Chocolate e La Universal, além do café.

Os chapéus do Panamá (que, na verdade, são feitos desde sempre no Equador e não no Panamá como todo mundo pensa) são uma excelente opção. Eles são lindos e aqui você pode comprar por um bom preço.

Produtos de couro também são boas opções para comprar, e a cidade chamada Cotacachi é conhecida por isso.

Eu comprei lindas toalhas de mesa, vestidos, casacos, gorro e poncho coloridos de lã de alpaca para minha filha. Tudo muito bonito e colorido.

Bebê andina com seu poncho!

Equador e Arte:

Como eu disse no texto sobre a Bienal de Arte de Veneza, eu não sou nenhuma entendida de Arte, mas eu adoro!

E aqui no Equador eu fui em um dos museus mais bonitos e interessantes que já conheci.

Trata-se de um museu/ateliê/templo inca.

O Museo Templo del Sol é realmente uma obra-prima construída pelo pintor e escultor de origem indígena Ortega Maila após uma grande pesquisa ancestral para manter sua arte e cultura andina. O passeio, que durou aproximadamente 1 hora, incluiu uma sessão de aromaterapia, com direito a degustação de chá de folha de coca, como cortesia do museu.

Interagindo durante uma atividade no Museu.

Em uma de suas salas emblemáticas exibe uma impressionante coleção de obras, incluindo pinturas e esculturas, que faz sentir a grandeza, a profundidade, a diversidade e a riqueza do sentimento de um dos melhores artistas do mundo.

O artista já percorreu o caminho de “Qhapaq Ñan”, (um caminho cercado de tradições e misticismo que te transporta no tempo e te convida a descobrir a história do império que conquistou o sol, o Império Inca. No passado, todos os caminhos da América do Sul direcionavam a Cusco, a principal metrópole sul-americana do período pré-colombiano, legado de uma antiga tradição cultural). E foi inspirado de saberes ancestrais, com uma infinita cosmovisão do mundo andino, transformada hoje em cada uma de suas obras que se expõe nesse Museu.

A área externa do museu é linda!

Ortega Maila é o único artista equatoriano a integrar a lista dos 100 melhores artistas do planeta pela ART CHANEL, canal especializado em arte no mundo. Seu nome ocupa um dos lugares mais importantes na lista da IGI INTERNATIONAL GALLERY e já expôs suas obras nas galerias mais importantes de Londres, Paris, Nova York, Tóquio, Berlim, Havana, México, La Paz, Brasília, Bombai, Dubai, e outros países ao redor do mundo levando a arte e a cultura equatoriana a todos os cantos do planeta.

Achei o máximo ter conhecido o Artista e dizer que nós brasileiros gostamos muito de sua arte!

Eu achei completamente mágico ele pintando um quadro maravilhoso na nossa frente em poucos minutos, que vendeu na hora. Eu queria tê-lo comprado.

Obra de arte finalizada!

O que está incluído no ingresso: Guia turístico profissional de história da arte liderado por um historiador da arte Introdução perfeita para visitantes de primeira viagem fornecido pelo Museo; Café e / ou Chá; Entrada / Admissão.

O que não está incluído: Alimentos e bebidas; translado do hotel (fomos e voltamos de uber).

Dica quente: ali perto do museu tem uma comunidade que reside dentro da cratera de um vulcão e dá pra visitar. A gente não entendeu bem esse passeio e não fizemos. Mas se fosse hoje em dia, com certeza iríamos. O nome é “Pululahua Geobotanical Reserve/ Reserva geobotânica Pululahua. Já salva no seu Google Maps.

Casa Museo Guayasamin e a La Capilla del Hombre.

Outro local interessantíssimo e que vale a visita, mas que infelizmente não fomos é a Casa Museo Guayasamin e a La Capilla del Hombre.

A Casa Museu é a residência onde o professor equatoriano Oswaldo Guayasamín viveu, se inspirou e trabalhou em seus últimos anos. Exibindo sua oficina ao público, também abriga uma parte muito representativa de suas coleções de arte pré-colombiana, colonial e contemporânea do Equador, além de objetos de arte de todo o mundo.

Foto retirada do site LonelyPlanet

Está localizada em Quito, em um dos lugares mais pitorescos da cidade: o morro de Guangüiltagua, com uma vista privilegiada para o Sul e o Oeste da cidade e o ainda para o ativo vulcão Pichincha. O local possui arte e cultura combinadas com a paixão com que Guayasamín seleccionou cada uma das peças, e natureza.

Ao longo de sua carreira o artista pintou inúmeros rostos famosos, como Gabriel García Márquez, Marcedes Sosa, Fidel Castro e Françoise Mitterrand, mas foram os retratos da luta e do sofrimento de anônimos que ganharam destaque em seu maior projeto, a Capilla del Hombre.

Capilla del Hombre, foto retirada do site Wikipedia.

A idéia da Capilla del Hombre nasceu em 1985, 17 anos antes da sua inauguração (quando o pintor infelizmente já não era mais vivo). Apesar do nome — “capela do homem” –, não se trata de uma igreja. Guayasamín era ateu. Sua intenção era criar um espaço que falasse profundamente aos povos latino-americanos, desde sua arquitetura, inspirada em construções andinas.

Américas Equador

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: