Um pouco da Terra Santa: o que você precisa saber antes de ir

Nada como escrever sobre a Terra Santa em plena quaresma/quarentena.

Pôr do sol em Tel Aviv, Israel.

Sempre pensei que algum dia fosse conhecer Israel, mas não imaginava que seria dessa vez. Meu noivo (atual marido) me convidou para a nossa primeira viagem internacional juntos, e decidimos ficar alguns dias no país (4 no total) para conhecer Tel Aviv, Jerusalém e fazer o tão sonhado passeio ao mar morto. Depois, seguimos para Roma, onde passamos o réveillon, com minha amiga brasileira que estava morando em Londres. Posso afirmar que essa viagem foi, sem dúvidas, uma das viagens mais incríveis que já fiz.

Conheço muita gente que tem um grande sonho de vir para cá, porém por insegurança acaba desistindo.

Localizando

A Terra Santa é uma área localizada entre o rio Jordão e o mar mediterrâneo, atualmente dividida entre Israel, Cisjordânia e Jordânia. É chamada terra santa devido ao seu valor histórico para as três grandes religiões monoteístas do mundo: cristianismo, judaísmo e islamismo. Por essa razão é considerado como o centro espiritual do mundo.

Estado de Israel é uma democracia parlamentar localizada no Oriente Médio, ao longo da costa oriental do Mar Mediterrâneo, e faz fronteira com o Líbano ao norte, com a Síria a nordeste, com a Jordânia e a Cisjordânia a leste, com o Egito e a Faixa de Gaza ao sudoeste, e com o Golfo de Aqaba, no Mar Vermelho, ao sul. Israel é definido como um “Estado Judeu e Democrático” em suas Leis Básicas e é o único Estado de maioria judia do mundo.

Mapa retirado do site https://pt.dreamstime.com/imagens-de-stock-royalty-free-estado-de-israel-mapa-image39036809

Esse artigo tem a intenção de te animar a montar sua viagem, e mostrar que viajar pra cá é muito tranquilo.

Um pouco da história da região

“Palestina é o nome do território localizado entre o Rio Jordão e o Mediterrâneo. O local era habitado principalmente por árabes, e foi controlado pelo Império Otomano e posteriormente pela Inglaterra, até 1946. Deste então, a Palestina passou por diversas guerras, que redefiniram seu território. A independência foi declarada em 15 de novembro de 1988 pela Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Mas a maioria de suas áreas reivindicadas estão sobre controle de Israel desde 1967, depois da chamada Guerra dos Seis Dias. Hoje, a Palestina se concentra em dois territórios: a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Apesar de a Cisjordânia estar sob ocupação israelense, é nominalmente controlada pela Autoridade Palestina.” — Fonte Wikipedia e Juliana Bezerra, Professora de História

O conflito entre Israel e Palestina é uma disputa sobre a posse do território palestino e está no centro de debates políticos e diplomáticos atuais.

A disputa se acirrou no fim do século XX a partir de 1948 quando foi declarada a criação do Estado de Israel.

Como chegar a Israel e à Palestina?

Nós fomos do Rio de Janeiro para Tel Aviv com a Alitalia, escala em Roma. Também é possível chegar por várias outras companhias que fazem conexão em outras cidades européias. Atenção que alguns países árabes não tem boa relação com Israel (ele sequer carimba seu passaporte por causa disso).

Vendo o mar mediterrâneo, chegando em Tel Aviv

Para visitar a região da Palestina apenas carros autorizados têm permissão para atravessar os check points/fronteiras entre Israel e Palestina. Carros alugados estão proibidos. Já vans e ônibus de empresas de turismo possuem essa permissão. Contratamos passeios diretamente no hotel em Jerusalém e foi bem tranquilo.

Como fomos do Aeroporto até o centro de Jerusalém

O aeroporto Ben Gurion de Tel Aviv é a principal porta de entrada de Israel e fica cerca de 15 quilômetros do centro de Tel Aviv e também de Jerusalém. Assim que chegamos ao país pegamos um shuttle, próximo ao terminal 3 e fomos direto a Jerusalém.

Indo para Jerusalém.

Depois que saímos de lá, usamos o shuttle de Jerusalém até Tel Aviv. Aí essa van nos levou até a rodoviária de Tel Aviv, e lá, pegamos um ônibus urbano até o hotel.

Para ir do hotel em Tel Aviv até o aeroporto pegamos um ônibus urbano até a estação de trem, e depois, pegamos um trem até o aeroporto, chegamos em cerca de 1 hora.

No trem indo do centro de Tel Aviv até o aeroporto

Atenção para os dias religiosos do país. De Sexta-feira a sábado transportes públicos possuem horários suspensos ou diferentes em razão do shabat.

Shabat (do hebraico שבת, shabāt, “descanso/inatividade”), também grafado como sabá ou sabat, é o nome dado ao dia de descanso semanal no judaísmo, simbolizando o sétimo dia em Gênesis, após os seis dias de Criação.

Como é passar pela imigração no aeroporto de Israel

O Aeroporto Internacional Ben Gurion é a porta de entrada para o país. Foi muito tranquilo e rápido passar por ali. As perguntas foram muito básicas, como o que viemos fazer aqui e qual é a relação entre mim e marido (que na época era noivo).

Mas o que chamou total atenção da gente é que pra sair do país que foi bem mais tenso. Eu e meu marido coincidentemente tínhamos carimbo no passaporte de entrada nos Emirados Árabes Unidos e Qatar, e isso fez com que as perguntas fossem mais demoradas e detalhadas. Respondemos a muitas perguntas em separado, como por exemplo, se a gente tinha se conhecido em algum desses países, se quando a gente estava lá alguém entregou alguma coisa pra gente, se a gente tinha parentes lá, etc. Com muita paciência respondemos tudo, sempre deixando claro que nossas viagens eram apenas de férias e turismo.

Dica de Ouro: Naquela época eu ainda não viajava apenas com mala de mão, e a fila para despachar malas é muito maior, então se você puder viajar com mala de mão é melhor. Ah, e chegue no aeroporto com antecedência de mais ou menos 3 horas.

Chegando em nosso hotel em Jerusalém

Qual a moeda levar para a Terra Santa?

A moeda usada em Israel chama Novo Shekel Israelense. Levamos dólares e euros (pois iríamos passar o réveillon em Roma). E, como sempre a gente trocou no próprio aeroporto, onde tinha uma casa de câmbio. Trocamos parte do dinheiro por ali e usamos Cartões de crédito normalmente.

Aqui, como no Brasil, existe a cultura de se dar gorjetas, que variam entre 10 a 15% sobre o valor consumido.

Documentos necessário para entrar na Terra Santa

Nós Brasileiros não precisamos de visto para visitar a Terra Santa, nem certificado de vacinação. Só passaporte, que deve ter validade mínima de seis meses a partir da data de entrada no país, além do seguro viagem que não é esperto viajar sem.

Como se vestir e quando ir à Terra Santa

Nós fomos no inverno, logo após o Natal, e estava muitíssimo frio, com temperaturas baixas, então todo mundo estava vestindo casaco.

Ouvindo as explicações do guia em Jericó, Cisjordânia

Eu achei as duas regiões visitadas bem diferentes, pois em Tel Aviv eu me sentia completamente na Europa, no verão então, deve ser uma experiência mágica, com aquela praia maravilhosa banhada pelo mediterrâneo. Israel é banhado por 4 mares: Mar Morto, Mar Mediterrâneo, Mar Vermelho e Mar da Galileia. Ou seja, 137 praias e 250km de litoral em um país que é praticamente do tamanho de Sergipe. É praia pra todo lado!

Já em Jerusalém, como a gente se hospedou no bairro árabe, me senti completamente no oriente médio.

O país é bem religioso e conservador, então é apropriado roupas mais largas que cubram o corpo, e acho que no calor isso pode ser um problema, principalmente para nós mulheres. Eu não precisei cobrir os cabelos, e quando entrei no mar morto usei um maiô e não vi ninguém de biquíni cavado.

Turistas curtindo o mar morto em Israel

Pode não ter restrições com os turistas, mas pra eu não ter nenhum tipo de dor de cabeça eu opto visitar o mundo árabe sempre no frio.

Mas se você não gosta de viajar no frio, saiba que aqui pode ser visitado o ano todo. A época mais fria vai de novembro a abril, inclusive pegamos chuva no deserto. O taxista ficou chocado, e o carro dele nem tinha limpador de para-brisas de tão raro que era a chuva naquela região. Os outros meses são bem quentes e secos. Acho que meses mais secos, com temperaturas mais amenas como abril, maio, setembro e outubro, são os preferidos.

Medias climáticas em Israel, imagem retirada do site http://goldtrip.com.br/clima-em-israel/

Que língua se fala na Terra Santa?

Os idiomas oficiais são o hebraico e o árabe. Inglês é o principal idioma de comunicação com os estrangeiros, falado e compreendido pela maioria. Um grande número de israelenses fala línguas maternas diferentes, pois é um país multiétnico e reúne judeus vindos de diferentes cantos do mundo na luta por uma identidade própria.

Placa em Hebraico, Israel.

E afinal, Israel e seguro?

Quando estávamos aqui ficamos sabendo (pela mídia brasileira) de um atentado a faca que aconteceu próximo a onde a gente estava, e mesmo assim, me senti o tempo todo mais segura em Israel do que no Brasil. Apesar dos conflitos com países próximos, nas zonas mais delicadas você não conseguirá entrar, nem sem querer, pois existe forte controle policial e “checkpoints” nas estradas que vão dar nesses lugares. Eu repito, em nenhum momento senti medo ou insegurança. Confesso que me incomodou um pouco ver muita gente jovem (inclusive mulheres) portando fuzis.

No entanto, andávamos pelas ruas à noite, vendo mães empurrando carrinho de bebê super tranquilas, indo e vindo dos restaurantes para jantar e a gente não se preocupava com a violência urbana, como a gente se lembra aqui no Brasil, que infelizmente é recorrente e faz parte da nossa realidade.

Noite tranquila em Jerusalém, Israel

Vale a pena alugar carro?

Nós ficamos apenas em Tel Aviv e Jerusalém, e foi tranquilo ficar sem carro, pois contratávamos os passeios distantes no próprio hotel. Mas, se a gente fosse circular pelo país todo, que, apesar de pequeno possui muitas atrações eu acho que não toparia alugar um carro, porque provavelmente a viagem teria cruzamento de fronteiras. Pelo pouco que a gente viu, as estradas são boas, (inclusive o Waze foi criado em Israel).

Estradas boas de Israel

Eu me organizaria para vir de excursão, ou encararia transporte público ou tours contratados no próprio hotel mesmo. Mas isso é minha opinião, tem muita gente que acha mais fácil alugar carro e fazer seu próprio caminho.

Atenção aos Táxis em Israel!

Conhecemos um casal de americanos que nos passou o telefone de um taxista que cobrava muito barato para fazer passeios no entorno de Jerusalém. Ligamos para ele e combinamos um passeio. No horário marcado ele chegou ao hotel, a gente perguntou o preço do passeio, e ele disse para ficarmos tranquilos, que seria barato. Insistimos para saber o preço, mas ele disse para ficarmos tranquilos. Então fomos no passeio (ingenuidade, claro), que foi ótimo, mas ao final ele queria cobrar um preço muito exorbitante que a gente não concordava. Foi bem chata essa discussão. Então aconselho fortemente a combinar bem o preço antes. O combinado não sai caro.

Já os motoristas de táxis que rodam na cidade querem cobrar um preço fechado, sem usar o taxímetro, o que acaba saindo mais caro, gerando uma surpresa desagradável.

Dentro do táxi, no passeio em Israel

Portanto, uma solução indicada é baixar o aplicativo Gett, que antigamente era conhecido como GetTaxi. Ele funciona como os aplicativos de táxi que existem no Brasil e garante a segurança de ter como identificar o taxista, e também a segurança de que sempre o taxímetro será usado, sem cobrar nenhuma taxa indevida. Esse aplicativo está disponível em Jerusalém e Tel Aviv.

Gastronomia em Israel

As opções culinárias são deliciosas. A famosa comida Kosher dos judeus é misturada com temperos e sabores internacionais. Meu marido comeu o pão Pita (o pão sírio de Israel) com o tempero Zaatar e adorou! Comprou um pote enorme pra trazer aqui pra casa.

O zaatar, (assim como o curry), é uma mistura de temperos muito popular na Síria, Jordânia, Líbano, Palestina, Israel, Armêmia, Turquia, Líbia, Egito e Tunísia. Ele é feito à base de tomilho, sumagre (uma especiaria com sabor ácido) e gergelim torrado. Ele também pode ser encontrado com orégano, sal e manjerona. Essa mistura é muito aromática e seu sabor é levemente picante. No Brasil, você consegue encontrar o zaatar em delicatessens e lojas especializadas, e também na internet.

Café da manhã no Capitol Hotel, Jerusalem, Israel

Além disso bebemos o famoso vinho israelense, e experimentamos pratos como Shawarma, Shakshuka, Msabahha e o nosso conhecido Falafel.

Escolhendo nosso jantar em Israel

Alimentos kosher, é aquele que seguem regras bem exigentes da alimentação judaica, certificados, inclusive, na presença de um rabino.

Dentre algumas curiosidades dessa dieta estão: a proibição de cozinhar ou servir junto carne e leite, peixes sem escamas e mariscos como camarões, caranguejos, mexilhões, etc, frutos de árvores com menos de 3 anos, bebidas à base de uva só podem ser consumidos se forem produzidos sob rigorosa supervisão rabínica.

Vinho israelense

E os doces? Uma delícia! Experimentamos o “Kanafeh”, feito com uma massa bem fininha em calda doce, coberto de pistache assado. Existem outros doces com massa folhada, cobertos com nozes, amêndoas e ervas, bastante semelhante às sobremesas dos países árabes.

Além dos sucos e frutas, como por exemplo, a romã.

Originária do Mediterrâneo e Oriente Médio, a romã é a fruta mais comum em Israel. Vendida em mercados, padarias e quiosques, ela está em todo lugar. Pode comprar a fruta partida para ir comendo a polpa das sementes, ou pode comprar o suco. É como se fosse a água de coco deles. Perto da praia em Tel Aviv, o suco de romã domina os quiosques.

Quantos dias ficar?

Entre Tel Aviv e Jerusalém ficamos apenas 4 noites e te falo que foi muito corrido. Acho que para ser uma viagem mais tranquila 3 noites em cada cidade é o ideal. No entanto, se você quiser conhecer mais o país, uns dez dias seria um bom período. O país é riquíssimo cultural e historicamente e vale a pena ficar mais tempo por aqui para conhecer os inúmeros locais religiosos, além de estender sua viagem a outros países da região.

Atenção ao repouso semanal

Em hebraico, a origem da palavra Sabá significa “parar”, e é o dia de descanso semanal no judaísmo. Do pôr do sol de sexta-feira ao pôr do sol de sábado, os judeus param qualquer trabalho e se dedicam ao descanso, assim como aconteceu no sexto dia da Criação.

Por isso, grande parte da população em Israel não abre lojas, dirige, cozinha, lava roupa, usa o telefone, ou até mesmo utiliza aparelhos eletrônicos.

Acontece que em Israel não tem só judeu. Então cada religião monoteísta tem um dia de descanso diferente: Para os muçulmanos é sexta-feira, e para os cristão é domingo. Então se organize e atenção ao dia que você chegará ou vai visitar algum ponto turístico! Como os judeus são maioria, sábado haverá muita coisa fechada.

Vitrine com bonitos artesanatos em madeira de Oliveiras

A Hamsa, Mão de Fátima, Mão de Miriam

Caminhando pelo calçadão em Tel Aviv encontrei no chão um lindo cartão com o texto em espanhol! Achei tão auspicioso! Se fosse em árabe ou hebraico com certeza passaria despercebido. O texto dizia o seguinte: A Hamsa: conhecida como mão de Fátima (no islamismo) ou mão de Miriam (no judaísmo). Nos últimos anos ativistas pela paz no oriente médio escolheu levar a Hamsa como símbolo das semelhanças das origens e tradições tanto da fé islâmica quanto da fé judaica!

Transmitimos aqui nossa mensagem de paz e saúde no mundo, para todos nós!

NÃO SE ESQUEÇA DE CONTRATAR O SEGURO VIAGEM!

Faça uma cotação sem compromisso neste link que já inclui o cupom ELIZABETHWERNECK que garante o desconto de 5% na compra do seu seguro viagem!

Acompanhe minhas viagens em tempo real pelo Instagram >>@elizabethwerneck

Se você gosta das dicas do blog, ajude na sua manutenção, reservando seus hotéis e pousadas pelos links daqui. Isso não aumenta em nada o valor da sua reserva e gera um pequeno percentual revertido para o blog 😉

🛏 Pesquisando por hotel? Dê uma olhadinha no Booking.com! Você não paga nada a mais pela reserva, pode alterar e cancelar quando quiser, e ainda consegue os melhores preços.

Israel Oriente Médio Palestina

1 comentário Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: