No dia 24 de agosto de 1954, o agitado bairro do Catete foi o palco da maior tragédia da política nacional. Na movimentada Rua do Catete, nº 153, o presidente da república em exercício, Getúlio Vargas, desferiu um tiro no próprio peito e deixou apenas uma carta que termina de forma profética: “saio da vida para entrar na história”. Veja aqui um roteiro de 1 dia no Bairro do Catete, no Rio de Janeiro.

Importante: Se você precisa comprar Euros ou Dólares para uma viagem ao exterior, você tem que conhecer a Wise!
Eu viajo muito e as melhores taxas de câmbio encontro sempre na Wise. Sem falar no cartão VISA deles que pode ser solicitado gratuitamente e utilizado no exterior debitando direto da sua conta Wise internacional sem tarifas ocultas nem IOF, com praticidade e segurança.
Entre para a Wise é gratuito.

Leia também: 17 dicas de lugares para piquenique no Rio de Janeiro RJ

Roteiro de 1 dia no Catete
Veja um Roteiro de 1 dia no Catete

Cenário da Política Nacional nos anos 60

Na década de 60 os principais acontecimentos políticos e culturais do país ocorriam no hoje pequeno bairro do Catete, que conta com 24.057 habitantes. Depois que a capital federal se mudou para o distante Planalto Central, em Brasília/DF, o histórico bairro viu sua importância diminuir um pouco. No entanto, hoje em dia caminhar pelo Catete é respirar esse ar histórico e bucólico de tempos antigos. E assim ocorre com bairros antigos que são próximos, como Glória e Santa Teresa. Porque o passado sempre permanece de alguma forma.

Roteiro de 1 dia no Catete

Descubra o Catete

O nome do bairro tem origem em um rio que corta a região, o Rio Catete, que também cruza o rio mítico da cidade, o Rio Carioca. O bairro começa ali pelo Largo do Machado, a famosa praça, antigo centro de exibições de filmes em elegantes cinemas. Hoje lá se ergue a simpática Igreja da Nossa Senhora da Glória, criada em 1834, em cerimônia conduzida pelo próprio Imperador Dom Pedro II. Ainda, em 1954 foi doada pelo Vaticano uma estátua esculpida pelo italiano Antonio Canova e instalada na frente da Igreja, representando o dogma da assunção.

Depois se chega ao Palácio do Catete, local do suicídio de Vargas e também onde diversos presidentes exerceram seus ofícios. Hoje o local é sede do Museu da República, em que há guardados itens pertencentes ao antigo palácio. Ele possui 250 metros de extensão e tem até um lago artificial no seu interior. Além de três pontes rústicas, uma cascata, gruta e esculturas. Também são expostos no seu acervo objetos dos presidentes do Brasil, obras de arte e extenso mobiliário. O turista pode inclusive visitar o quarto de Getúlio Vargas, ver sua cama e até seu pijama. Ainda, há outras atrações como brinquedoteca, biblioteca, cinema, livraria, loja e restaurante abertos ao público.

Bem próximo dali está o lançamento Gloria Del Art Co Living.

Roteiro de 1 dia no Catete

A grande relevância cultural do Catete

O Catete guarda ainda muito daquela relevância cultural nos seus sobrados em estilo neoclássico ou art noveau, filhos da belle époque carioca, em que a capital desejou se tornar mais “afrancesada”. Os casarios da Rua do Catete também simbolizam esse Rio antigo mas ainda vivo em cada fachada, em diversas e expressivas cores.

Ainda, a importância cultural do bairro se observa pelo Teatro Cacilda Becker, especializado em espetáculos de dança desde 1991. O casarão Ameno Resedá e seus shows de artistas brasileiros, indo do jazz ao samba, é uma atração anual na região. E o café Lamas, antigo ponto de encontro de boêmios, intelectuais e artistas, permanece ativo e cativante.

A Rotisseria sirio-libanesa é um dos grandes destaques da gastronomia árabe na cidade. As suas esfihas, kibes e vários salgados, fazem os clientes voltarem sempre, além de terem ótimos preços. O clássico restaurante Berbigão traz deliciosos e acessíveis frutos do mar. E a Estação do Largo do Machado oferece várias iguarias da culinária regional. E há várias outras boas opções, de diversos preços, no bairro.

O Catete é o Rio de Janeiro histórico, está também bem próximo ao Centro da Cidade do Rio, que atravessou o período imperial e chegou até à República de hoje em dia. Como a própria cidade que o abriga, viu sua relevância política e cultural oscilar e ter que se redefinir conforme os anos iam passando. E mesmo assim seguem, os dois, vivos, atraentes e sendo o destino de milhares de pessoas. O que certamente assim permanecerá por muito tempo.