Descubra a Costa Rica: Nosso Roteiro de 8 dias

Imagina um país que é um verdadeiro paraíso tropical, e que os seus cidadãos valorizam todo o verde, num perfeito equilíbrio entre o desenvolvimento e a natureza…

Natureza rica e abundante.

Será o Brasil do futuro?

Podia ser né? Mas no momento estou falando da Costa Rica, um pequeno país localizado na América Central. A Costa Rica recebeu o prêmio Campeões da Terra em 2019, a maior honra ambiental das Nações Unidas, pelo seu papel na proteção da natureza e no combate às mudanças climáticas. O país conta com várias opções de turismo ecológico que oferecem tirolesa, mountain biking, caiaque e observação de pássaros.

Depois de vocês já terem lido as informações básicas sobre a Costa Rica, agora vamos te contar nosso roteiro e por onde passamos, e dizer que vimos muitos vulcões, águas termais deliciosas, praias tranquilas e selva exuberante. Nos centros das cidades encontramos bichos preguiça, quatis e vários pássaros. Ainda teve uma escapada perfeita para a Nicarágua que eu contei aqui. Foram 8 dias e já te aviso que não deu tempo de ver tudo que a gente queria. Nunca dá!

Assim foi nosso roteiro na Costa Rica.

A expressão “pura vida”, falada constantemente no país, simboliza para os costa-riquenhos a simplicidade da boa vida, aliada com alegria e bem-estar.

1º dia – Voo do Rio de Janeiro, Brasil, até San José (Costa Rica). (Com escala em Lima, Peru).

O Voo atrasou bastante e chegamos no final da tarde. Só deu tempo de pegarmos o carro na locadora de veículos (pois iríamos sair no dia seguinte bem cedo) e comer uma pizza próximo ao hotel.

Cerveja costa-riquenha no “The Corner Pizzería Paseó Colón”

Ficamos hospedados no hotel Park Inn SJ by Radisson. Atendimento adequado, café da manhã excelente, bem localizado, moderno, quartos espaçosos, equipe simpática e estacionamento sem custo adicional. Uma vista bem bonita para o vulcão. Pena que estava encoberto em nossa rápida estadia.

Vista de San Jose, Costa Rica!

Dia 2 e 3 – Cidade de La Fortuna e Vulcão Arenal

Tomamos café da manhã, e dirigimos por cerca de 3 horas até a cidade de La Fortuna (132 km).

A velocidade máxima das estradas da Costa Rica são bem baixas, então saiba que você vai demorar mais pra chegar do que se você estivesse em alguma autoestrada.

La Fortuna está localizada aos pés do Vulcão Arenal e já no primeiro momento me causou uma ótima impressão pois vi uma mamãe preguiça com seu filhote e uma Iguana (na verdade eu acho que é, mas não tenho certeza) no centro da cidade.

Depois de fazer uma sessão de fotos com essas fofuras chegamos em nosso hostel.

Ficamos hospedados no Hostel Backpackers La Fortuna por duas noites em quartos privativos com banheiro.

Área externa do Hostel

Eu adorei o local. Bem bonito e bem cuidado. Podendo contratar os passeios por ali mesmo, então já facilita.

Logo em frente experimentamos a rica gastronomia da Costa Rica no Restaurante Lava Lounge.

E já fomos fazer para um passeio:

Parque Nacional do Vulcão Arenal

Arenal era um vulcão adormecido até 1968 quando fortes explosões cuspiram rios de lava e destruíram 3 vilas próximas a ele (menos La Fortuna), matando cerca de 80 pessoas e 45 mil cabeças de gado.

No momento é considerado adormecido, e até 2010 ele expelia colunas de cinzas, explosões gigantes e fluxos de rocha derretida. Mesmo assim, os pesquisadores ainda estão de olho, pois ele se mantem em formato cônico.

Vulcão Arenal. Foto retirada da Wikipedia

Então os arredores do Vulcão se transformaram em Parque Nacional em 1995 por causa de sua rica biodiversidade. Você sabia que metade das espécies de vertebrados terrestres conhecidos na Costa Rica podem ser encontrados aqui?

Por aqui fizemos uma trilha da Cachoeira (são várias opções de trilha).

Considerada leve e fácil, com cerca de 2 km de ida e volta, por aqui tem aquelas pontes suspensas super bonitas que eu sempre via em filmes de aventura. Essas pontes são excelentes para observar a floresta de uma forma mais natural.

Arenal Observatory Lodge:

Construído em 1987 como observatório particular para a Universidade da Costa Rica. Está bem próximo ao vulcão, mas numa área relativamente segura, em uma serra. Desde então estudiosos do mundo todo vêm estudar o vulcão ativo, e um sismógrafo no hotel funciona dia e noite.

O hotel é bem gostoso e oferece massagens e passeios a bons preços. (Uma dica legal é se hospedar aqui).

Aqui também visitamos o pequeno museu com exposições sobre história, vulcanologia, fauna e flora do Arenal.

Arenal Observatory

Aqui vimos também um sapinho bem pequeno, típico do país. Fofo, carismático mas muito venenoso.

A rã-de-olhos-vermelhos assusta os predadores quando abre seus olhos, dando a ela tempo para fugir rapidamente.

Banho de águas termais no Rio Chollin:

Depois seguimos para tomar banho de águas termais. Os mais famosos são Eco-Termales e o Tabacón Thermal Resort. Mas a gente foi no que era de graça mesmo, rsrs.

Tabacón Thermal Resort, foto retirada do booking.com

Confesso que fiquei preocupada da água não ser quente o suficiente, mas fiquei completamente surpresa. Água na temperatura ideal para mim (e olha que sou friorenta).
Fomos durante a noite. No início achei um pouco estranho no caminho passar por debaixo de uma ponte, mas foi divertido. Pena que nessa época não tínhamos goPro para tirar fotos sem preocupação de molhar a câmera.

Passamos por aqui. Que aventura! Foto retirada do site TripAdvisor

O local é bem ao lado da estrada, natureza pública e surpreendente. São águas termais diretas do vulcão. Você escolhe o seu próprio local, deita e relaxa na água quente com a floresta ao redor. É uma maneira maravilhosa de passar algum tempo. Não há banheiros ou vestiários. Foi uma das melhores coisas que eu já fiz na vida.

No dia seguinte:

Tentamos fazer a trilha para o Cerro Chato:

É um vulcão extinto com a cratera cheia de água, bem ao lado do vulcão Arenal.

Trilha para o Cerro Chato
Flores pela trilha

Começamos a subir a trilha e vimos pessoas descendo muito sujas de lama e além disso disseram que o lago no topo estava com muita neblina e visibilidade baixíssima, por isso desistimos.

No final da trilha se alcança o Cerro Chato, e termina num lindo lago vulcânico, deslumbrante. A trilha tem 8 km e são necessárias cerca de 2 a 3 horas em cada sentido.

Foto retirada do site wikiloc

Em falar em neblina forte, não conseguimos ver o arenal por inteiro nos dias que estávamos aqui. Ele ficou o tempo todo coberto de nuvem.

Tem um vulcão ali, garanto pra você!

Então voltamos e fomos à

Catarata do Rio Fortuna: (La Fortuna Waterfall)

Adorei visitar, mas não recomendo para pessoas que não podem ou não gostam de subir escadas (acho que são cerca de 500 degraus).

A cascata é muito bonita. Assim como o caminho até la. Se quiser dá pra entrar na água que geralmente é muito gelada e agitada.
Vá com calçados adequados para caminhar. Dessa vez não nadamos, mas recomendo a visita.

A energia do lugar é incrível

Depois tomamos um Frozen de iogurte na lanchonete da cachoeira.

Merecemos depois de descer e subir 500 degraus.

La Fortuna

Depois voltamos e fomos dar uma voltinha no centrinho. A cidade é bem simples, e o grande destaque é o entorno dela.

Foto retirada do site arenal.net

E à noite fomos comer pizza na Anch’io e bebemos cerveja artesanal do país. Comida italiana muito boa, com excelente atmosfera.

Uma coisa interessante na Costa Rica é que eles comem arroz com feijão no café da manhã, um o prato tradicional chamado Gallo Pinto. Meu marido adorava.

Café da manhã no Rainforest Café comendo Gallo Pinto em forma de vulcão.

Um local que conhecemos e que eu recomendo é a Soda Viquez, em La Fortuna. Soda na Costa Rica significa restaurante.

Dia 4 – Vamos a la Playa!

Saímos de La Fortuna rumo à região de Praia no noroeste do país. No oceano pacífico.

Encontramos lindos quatis que se despediram da gente pela estrada.

E que estrada bonita, com muito verde e a bela Lagoa de Arenal.

Lagoa de Arenal! Chamo a atenção para os cata-ventos ao fundo para gerar energia eólica.
No caminho paramos no Café & Macadamia

Então chegamos a nossa praia escolhida. É uma praia bem ao norte do país, porque eu queria fazer o passeio até a Nicarágua, e ficando aqui seria mais fácil. A escolhida foi a Playa del Coco, em Guanacaste.

A Playa del Coco é famosa por ser local de pesca esportiva. Tem uma pracinha gostosa à beira mar. O mar é muito calminho e não dá pra surfar por aqui (foi um dos motivos que escolhi essa praia). É boa pra fazer caiaque, pois são perfeitos para conhecer as baías rochosas ao norte e ao sul da praia. A areia é escura devido as formações vulcânicas, acho isso tão intrigante!

Playa del Coco

Contei muito mais detalhes sobre as praias da Costa Rica, aqui.

Ache seu hotel na Playa del Coco aqui.

Então por aqui curtimos o pôr do sol, nadamos e aproveitamos nosso momento na praia!

Quiosques de praia na Costa Rica. Vocês acharam parecidos com os do Brasil?

Ficamos numa casa super bonita dentro de um condomínio com piscina, chamada Villa Riviera.

Tentamos visitar a Playa Conchal, mas durante a ida nosso carro ameaçou ficar atolado e então ficamos receosos e voltamos, mas dizem que a praia é linda, um verdadeiro tesouro escondido. Então já anota a dica de reservar um carro com tração nas 4 rodas quando você vier pra cá.

Acabamos voltando para playa del coco e foi ótimo também. Esse dia pegamos pôr do sol de filme no oceano pacífico.

Dia 5 – fizemos o passeio para a Nicarágua:

Um bate e volta da Costa Rica até a Nicarágua e te falo que foi um dos dias mais legais da viagem.

Valeu muito a pena.

Saímos com a agência de turismo Plus Papagayo antes do sol nascer e pegamos a estrada interamericana, que segue até o Alasca.
A Nicarágua é o maior país da América Central, tem cerca de 20 vulcões, sendo 7 deles ativos.

Contei tudo sobre nosso dia maravilhoso aqui!

Na fronteira da Costa Rica com a Nicarágua!

Dia 6 – Reveillon na Costa Rica

Hoje era o dia do reveillon e passamos o dia todo por aqui.

Durante o dia contratamos um barco para nos levar até a praia ao lado, chamada Playa Hermosa.

Muito bonita! O mar é calmo e a água tem uma temperatura bem agradável! A areia é ótima, não é escura e um pouco mais macia que a Coco.

Playa Hermosa, Guanacaste, Costa Rica

Depois fomos ao mercado, compramos espumante para a virada do ano e outras coisinhas para comer.

A noite saímos pra jantar e esperar o ano novo com o pessoal local.

Uma dica que eu te dou quando você for passar o reveillon fora do Brasil: É muito raro os jantares serem próximos da virada. O pessoal encerra as atividades do restaurante muito antes da virada, porque eles querem comemorar também.

Aqui quase não encontramos local para comer. Quando eu passo o reveillon no Brasil me arrumo toda lá pelas 22 horas e vou procurar algum lugar pra jantar e sempre encontrei sem problemas. Fora do Brasil não! 22 horas eles já encerraram as atividades dos restaurantes pra curtir com o pessoal na rua. #ficaadica.

Galera na rua no réveillon. Coco beach, Guanacaste, Costa Rica

Por aqui tinha festa no Hard Rock Cafe, e se eu não fosse viajar no dia seguinte, certamente eu entraria, parecia bem animado.

Hard Rock Cafe, Guanacaste, Costa Rica

Então ficamos na praia, vimos os fogos, e foi muito especial. Os fogos são bem mais simples que os do Brasil, e acho que só eu estava de branco. Hahaha.

Réveillon na Costa Rica

Mas quando você passa o reveillon no exterior você não quer uma festa igual do Brasil, pois nossa festa é incomparável. Você quer aproveitar o momento para viajar e conhecer novas culturas e meu reveillon foi muito perfeito. Não mudaria nada nele.

Clique aqui para ver detalhes sobre praias na Costa Rica

Dia 7 e 8 – San José (capital)

Nossa estadia na praia acabou. Pegamos o carro e seguimos rumo a capital do país.

Chegamos e fomos direto para o nosso novo hotel Aranjuez. Que hotel maravilhoso! É simplesmente o estilo de hotel que eu gosto de me hospedar. Com certeza fez parte da experiência, como se fosse um ponto turístico. Além do hotel ser bastante central, é aconchegante e afetivo, com bela iluminação e pátio. São cinco casas de madeira dos anos 30 considerada patrimônio arquitetônico. São vários cantos: terraços, jardins e quartos, todos decorados com muito bom gosto típico da Costa Rica.

Nem parece que estou no meio da cidade.

Em todos os lugares existem obras de arte alegres e agradáveis.

Carros de boi coloridos são típicos da Costa Rica.

Os quartos são básicos, mas ótimos, muito limpo. Achei bem silencioso. A equipe é muito simpática e prestativa. Chamo a atenção para o maravilhoso café da manhã, muitas opções e todas deliciosas. Super recomendado.

Café da manhã das estrelas! Hotel Aranjuez, San Jose, Costa Rica.

Fomos rodar na cidade. Fomos às praças, parques, vimos as construções, achei a cidade bem cuidada e me senti muito segura.

Em frente ao Teatro Nacional em San Jose, Costa Rica.
Museu Nacional da Costa Rica
Cassino em Costa Rica é liberado

Almoçamos num restaurante asiático delicioso chamado Tin Jo. As reservas são recomedadas, mas demos sorte, porque não reservei e conseguimos ir.

Almoço oriental no Tin Jo
Sobremesa! Yummy!

Vulcão Irazú

Tínhamos pouco tempo na capital e por aqui existem 2 vulcões para se visitar. O Irazu e o Poás. Preferimos visitar o Irazu por ser o maior e mais cruel (no passado) vulcão da Costa Rica (3.432 m).

Irazú é um nome indígena e significa ponta do Trovão.

Muito alto! Acima das nuvens

E por aqui apreciamos sua bela e desolada paisagem bem cedinho. Em dias muito claros dá pra contemplar as águas do oceano Pacífico e do caribe no horizonte.

Cratera, Vulcão Irazú, Costa Rica

Na descida do vulcão paramos no Bar e Restaurante Linda Vista, que é todo decorado de papelzinho. Achei muito curioso.

Cartago – antiga capital da Costa Rica

A 19 km do vulcão Irazú está Cartago. Fundada em 1563 pelo conquistador espanhol Juan Vásquez de Coronado, foi o primeiro assentamento espanhol permanente na Costa Rica. Foi capital do país até 1823, quando a capital foi transferida para San José.

Em 1723, uma erupção vulcânica do Irazú destruiu Cartago. A cidade foi severamente danificada por grandes terremotos em 1822, 1841 e 1910. Em 1963, outra erupção vulcânica danificou seriamente a cidade e cobriu San José e quase toda a produção agrícola da cidade com cinzas.

Ruínas da antiga basílica, no parque central de Cartago, Costa Rica.

E aqui visitamos a

Basílica de Nuestra Señora de Los Ángeles

Santuário mais venerado da Costa Rica, essa igreja possui arquitetura bizantina, com bonitos vitrais, com interior pintado à mão e capelas decoradas com altares de madeira trabalhada.

Igreja muito bonita!

Foi construída em 1635 e possui uma relíquia religiosa: La negrita (a Virgem Negra), pequena representação da Virgem Maria, provavelmente indígena, encontrada em 2 de agosto de 1635.

Depois voltamos pra San José e almoçamos no restaurante Luna Roja e comemos comida típica Costarricense.

Depois do almoço seguimos para o

Museu do Ouro Precolombiano:

O Museu está localizado em um edifício subterrâneo debaixo da Plaza da cultura e tem uma coleção extraordinária de objetos de ouro, que refletem a visão de mundo, estrutura social e ourivesaria dos povos pré-colombianos que ocupavam o atual território da Costa Rica. A exposição mostra o uso e a função das peças, a tecnologia, bem como a relação com a natureza e o cotidiano desses grupos humanos.

O museu possui uma coleção arqueológica de mais de 3.500 artefatos pré-colombianos que incluem objetos de cerâmica, peças de ouro, objetos de pedra, jades e vidros.

A coleção de ouro data de 300-400 A.C. até 1550 D.C. Os objetos pré-colombianos como vasos de várias formas, objetos, estátuas e utensílios em cerâmica e pedra, eram utilizados na vida cotidiana e cerimonial dos povos.

Peças em Ouro. Costa Rica.

Na história da Costa Rica, o ouro era considerado um símbolo de autoridade e aqui há também uma réplica de uma sepultura pré-colombiana contendo objetos de ouro que foram desenterrados em uma plantação de banana no sudeste da Costa Rica na década de 1950.

Depois do museu fomos ao

Mercado Central de San José:

Um grande complexo de barracas, sendo o melhor e mais barato local da cidade para comprar de tudo: cortes de carne, artesanato e souvenirs. E aqui também vale a lei de todos os mercados: Negocie para conseguir bons preços.

Mercado Central, Costa Rica.

À noite fechamos a nossa estadia na Costa Rica com chave de ouro: fomos visitar uma cervejaria artesanal chamada Costa Rica Beer Factory.

O bar fica num bairro mais moderninho de San José. Tem inúmeras opções de cerveja e um bom cardápio de comidas. O lugar tem uma decoração super descontraída e criativa, um jardim com mesas e cadeiras super agradável.

Despedimos da Costa Rica e vimos do avião o Vulcão Turrialba expelindo cinzas. Achei tão incrível, é muito diferente da minha realidade aqui no Brasil.

O vulcão Turrialba está a 3.340 m de altitude e é o segundo vulcão mais alto da Costa Rica, superado apenas pelo Vulcão Irazú que tem 3.432 m. de altitude.

E aí, pessoal? Animados para conhecer a bela Costa Rica?

Américas Costa Rica Roteiros

1 comentário Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: