Descubra o Peru! Roteiro e dicas de viagem

Visitar Machu Picchu é um sonho de 9 entre 10 viajantes. E a cada ano que esse sonho não se realizava me causava grande ansiedade. Pois sempre chegavam notícias que Machu Picchu ia desaparecer a qualquer momento, que ia desmoronar, que ia fechar de vez, etc.

Meu maior sonho realizado foi estar aqui! A antiga cidade inca de Machu Picchu é um Patrimônio Mundial pela UNESCO e uma das novas maravilhas do mundo moderno .

Pois bem, eu e minha amiga Renata decidimos ir para o Peru. E vou te dizer uma coisa do fundo do meu coração: Que país incrível. E como ele vai muito além de Machu Picchu!

Mirante Abra La Raya. 4338 metros acima do nível do mar na estrada de Puno a Cusco.

Resumindo rapidamente a viagem: nos surpreendemos com paisagens que parecem ter saído de um quadro, vimos muitas cores e sorrisos, sentimos os sabores e aromas, e aprendemos muito com uma nação que luta para manter viva sua cultura de mais de 5 mil anos.

E tudo é muito vivo por aqui. A resistência de seu povo é retratada em cada pequeno detalhe através do artesanato variado e multicolorido, da música típica, da dança e principalmente de sua culinária.

Músicos Andinos

Além disso achamos um país bem seguro para mulheres viajarem, e com muita estrutura turística. Ah, com certeza quero muito voltar a essa bela Terra Inca!

Então descubra aqui um pouco de história, geografia e culinária do Peru, como chegar, onde se hospedar, documentos necessários e outras informações precisosas para sua viagem.

Essa viagem foi a que eu menos organizei. Na verdade só compramos as passagens e fomos! Zero lugares reservados. Assim que a gente chegava na cidade, ia procurar um lugar pra ficar.

Ah, como eu queria ter lido esse texto antes de ir, tenho certeza que aproveitaria muito mais.

Localizando o Peru

É o terceiro maior país do continente sul-americano, e faz fronteira ao norte com o Equador e Colômbia, ao sul com o Chile, leste com o Brasil e Bolívia e oeste com o Oceano Pacífico.

Mapa retirado do site geology.com

Em seu vasto território, estão as incríveis paisagens da Cordilheira dos Andes, a sagrada Floresta Amazônica e a bonita Costa do Pacífico. Ou seja, por aqui tem Serra, Mar e Floresta! Todos os ingredientes para o país ser um destino turístico de primeira grandeza.

Lago Titicaca, Puno, Peru. É considerado o lago navegável mais alto do mundo, visto que sua superfície está a 3 821 metros acima do nível do mar. Muitos lagos pelo mundo estão em altitudes mais elevadas, mas todos são bem menores e mais rasos que o Titicaca.

Informações rápidas e úteis:

  • Capital: Lima
  • Moeda: Novo sol
  • Idioma: Espanhol, Aimará e Quíchua (línguas Incas)
  • População: 32,1 milhões
  • Requer Visto de turismo: Não
  • Requer Vacinas: Não
  • Requer passaporte: Não. Apenas RG
  • Requer seguro viagem? Não, mas não é recomendado viajar sem. Para aproveitar sem medo tudo que o país tem de bom, é fundamental estar prevenido, e o seguro viagem é exatamente para isso! Veja aqui como escolher o mais adequado pra você

Um pouco da história do Peru

Cronologia dos povos pré-colombianos no Museo Banco Central de Reserva del Peru. Passamos por aqui durante uma caminhada no centro de Lima. Eu gostei bastante do museu, e possui a entrada gratuita.

Essa História se estende desde as civilizações pré-incas até os dias de hoje, como por exemplo os Moche e os Nazca, que se desenvolveram entre 700 a.C. e 100 a.C.. A cultura Moche produziu notáveis instrumentos de metal e as cerâmicas mais impressionantes da antiguidade, enquanto a cultura Nazca é conhecida pelo seu trabalho com têxteis e as enigmáticas Linhas de Nazca.

As Linhas de Nazca são um conjunto de misteriosos desenhos antigos localizado no deserto de Nazca, no sul do Peru. Eles foram designados como um Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1994. As centenas de figuras variam de beija-flores, aranhas, macacos, peixes, tubarões ou baleias, lhamas, lagartos e recentemente descobriram um gatinho. Esses desenhos poderiam indicar o fluxo de água ou estarem ligados a rituais para trazer chuva. As aranhas, pássaros e plantas poderiam ser símbolos de fertilidade. Outras explicações incluem: sistemas de gigantes calendários astronômicos ou formas de comunicação com extraterrestres. Foto: Ministerio de Cultura do Peru/Divulgação.

Mas a Civilização Inca merece total destaque.

Os Incas instituíram o maior império da América antes de Cristóvão Colombo chegar por aqui. A administração política e militar desse império ficava em Cusco (que em quíchua, significa “Umbigo do Mundo”). O império surgiu nas terras altas peruanas em algum momento do século XIII. De 1438 até 1533, os incas conquistaram uma grande parte do oeste da América do Sul, centrado na Cordilheira dos Andes, incluindo parte do atual Equador e Peru, Bolívia, Argentina, Chile e Colômbia.

O Valle Sagrado dos Incas, ou Valle do Rio Urubamba, é composto por vários sítios arqueológicos e povoados indígenas, que se estabeleceram ao longo do curso desse rio, considerado sagrado pelos Incas. O Vale passa por muitos vilarejos, como Pisac, Ollantaytambo, Maras, Moray, Tipón, Urubamba, Andahuaylillas, Chinchero, Calca e etc.

Ah! Adoro contar os feitos dessas civilizações antigas!

Eles já dominavam tecnologias de irrigação da terra para a agricultura, desenvolvendo complexos sistemas de engenharia hidráulica, metalurgia do cobre e bronze, técnicas de construção (com deslocamento e cortes de pedras até hoje super misteriosos), anotações numéricas e técnicas eficientes de comunicação.

Você sabia? Para muitas culturas no Peru, o ouro e a prata eram vistos como belos metais, dignos de serem transformados em adornos para si próprios e como oferendas aos deuses. Eles não atribuíram necessariamente valor econômico a esses metais como os europeus fizeram. Museo Banco Central de Reserva del Peru.

Como assim que essa cultura já construía pirâmides e grandes complexos cerimoniais!?

Arqueólogos descobriram uma pirâmide escalonada no sítio arqueológico Inca de “Pueblo Viejo”, na província de Recuay, no Peru. Foto retirada do site da revista Exame.

Parece até que as cidades incas competiam entre si para produzir a arquitetura mais impressionante.

Em Raqchi visitamos as fascinantes e imponentes ruínas do Templo para o Deus Viracocha, o criador do mundo na teologia Inca. O templo permanece em meio a um complexo de armazéns, edifícios tipo quartéis e outras construções ao longo das margens de um fluxo de lava. Os descendentes dos Incas continuam a cultivar o local e este foi um dos meus locais Inca favoritos.

Chegaram a construir na cidade de Machu Picchu um relógio do sol, pois o conhecimento desse povo era regido pelas constelações.

Pedra de Intihuatana. É uma escultura voltada para o nascer do sol, que lança sombras em relação ao seu movimento e dessa forma verificava os dias, as datas das colheitas e as festividades religiosas. Com isso os Incas faziam observações e medições precisas em relação ao tempo e às estações. Localizada no alto da Cidadela de Machu Picchu, Peru.
Foto: Renata Gabriel

Os incas tinham uma concepção panteísta do mundo. Ou seja, a lua, o Trovão, Chuva, Vento, as plantas, os animais, a terra (Deusa Pacha Mama), o Sol (principal divindade Inca), e tudo que os rodeavam eram Deuses presentes. Acreditavam que agricultura, religião e astronomia estavam interligadas, como também a vida e a fé, junto das forças naturais.

A cidade de Machu Picchu era o centro das peregrinações religiosas do povo Inca.

Será que podemos considerar esse padrão de organização social semelhante aos formados há mais ou menos dois mil anos na região da Mesopotâmia ou às civilizações que se desenvolveram na Índia e China, além das civilizações Maias e Astecas na Mesoamérica? Sem dúvida alguma né?

Quando o conquistador espanhol Francisco Pizarro chegou à região em 1531 procurando por riquezas incas, encontrou esse império bem debilitado por uma recente guerra civil. Este capturou e executou o imperador inca, Atahualpa, em 1532. Já em 1534, Pizarro já havia restabelecido a cidade de Cuzco, porém como uma nova colônia espanhola.

Esse é um dos lugares que mais resume a história da colonização européia nas Américas. Coricancha, em Cusco no Peru, é uma obra da arquitetura Inca e um dos mais importantes complexos arqueológicos sagrados daquele povo, o Templo do Sol. Foi destruído pelos conquistadores espanhóis, mais precisamente pelos religiosos dominicanos que sobre ele ergueram o Convento e a Igreja de Santo Domingo. Isso foi uma, das muitas edificações que os espanhóis aproveitaram do alicerce de pedras incas para erguerem edifícios coloniais. Por ironia do destino um grande terremoto em 1950 destruiu a construção dos padres dominicanos e expôs o Templo do Sol, que resistiu firmemente ao terremoto, graças às técnicas incas de construção. Esta foi a segunda vez que a construção dos dominicanos foi destruída, sendo que a primeira vez ocoreu em 1650.

Os espanhóis estabeleceram um sistema chamado encomienda, pelo qual obrigavam os nativos a trabalhar em seu favor, tributando-os e em troca forneciam-lhes proteção e catequização. O título de toda a terra pertencia ao rei da Espanha, e os indígenas eram obrigados a criar gado, galinhas e trabalhar na agricultura dos vegetais trazidos da Europa.

Construída em 1560, pelos espanhóis, a Catedral de Cusco, reúne características do gótico, do renascimento e do barroco. Foi, infelizmente, erguida sobre o que foi o Suntur Wasi, ou Palácio do Inca Wiracocha, como demonstração de poder. É uma das catedrais mais ricas do mundo em pinturas, além de ter muito ouro e prata. Quando chegamos estava sendo celebrada uma missa em dialeto dos Incas. Estes, incorporaram parte de seu simbolismo religioso na catedral, como exemplos, a cabeça esculpida de um puma nas portas (esse animal é símbolo de força, sabedoria e inteligência. Representa o “Kay Pacha”, palavra quéchua que significa “o mundo dos vivos”. Suas características são paciência e força). Outro exemplo é a pintura da “Última Ceia’, pintada por artistas da escola cusquenha, onde o prato principal é o cuy, o porquinho da índia, prato típico peruano. A igreja é simplesmente maravilhosa, e uma das que eu mais gostei de visitar até hoje.

Em 1542 foi criado o Vice-reino do Peru, abrangendo quase todo o domínio espanhol nas Américas, mas que acabou se dividindo em 1717. As cidades incas foram todas rebatizadas com nomes cristãos, e reconstruídas como vilas tipicamente espanholas, em torno de uma praça e catedral principais como centro. A população indígena diminuiu drasticamente sob o domínio espanhol, e embora a invasão não tenha sido uma tentativa clara de genocídio, os resultados foram similares. Uma vez estabelecido o Vice-reino do Peru, as grandes quantidades de ouro e prata retirados dos Andes enriqueceram os invasores, fazendo do Peru a principal fonte de riqueza espanhola em toda a América do Sul.

A cidade de Lima, fundada pelos Espanhóis em 1535 como “Cidade dos Reis”, e se tornou a capital do vice-reinado.

Lima tornou-se uma poderosa cidade, com jurisdição sobre toda a América espanhola. Todas as riquezas coloniais passavam por aqui, no seu caminho ao istmo do Panamá, e de lá para Sevilha, Espanha.

Em 1821, foi declarada a independência do país, mas a batalha contra os espanhóis durou até 1824.

O governo de Ramón Castilha (1845-1851 e 1855-1862) libertou os indígenas do pagamento de tributos e os negros da escravidão.

O Peru também sofreu um golpe militar, o general Juan Velasco Alvarado tomou o poder em 1968. No entanto, em 1975, ele foi deposto e quatro anos depois o poder foi devolvido aos civis.

Já em 2003, milhares de plantadores de coca (cocaleros) marcharam até a capital Lima, protestando contra a tentativa de acabar com esse cultivo, que atualmente é considerado ilegal.

Sobre a Folha de Coca

Impossível falar do Peru, da Bolívia e do Equador sem falar (de modo maduro, histórico e científico) desse arbusto.

A coca é uma planta nativa da Bolívia e do Peru, e seu princípio ativo analgésico contido nesse vegetal foi descoberto pelos Incas. Desde o Império Inca aos dias atuais a folha dessa planta é tradicionalmente mastigada nas áreas de relevo mais elevado, principalmente nas mediações dos Andes.

o Museu da Coca é um ponto obrigatório de vista quando for a La Paz, Bolívia. Ele é pequeno mas rico em história e informações que desmitifica o que pensamos a respeito desse assunto.

A coca possui benefícios para o organismo humano como a formação de células musculares, previne úlceras e gastrite, além de impedir o mal-estar proveniente das altitudes (soroche).

Café da manhã peruano.

A planta era considerada sagrada pelos povos originários que habitavam a região em tempos passados devido ao seu potencial nutritivo e analgésico.

Quando essa folha começou a ser transformada em droga, seu cultivo expandiu de forma significativa, pois passou a ser algo extremamente rentável, hoje cerca de 90% do cultivo da coca é direcionado ao desenvolvimento da cocaína, então isso aí virou um problemão mundial super complexo.

Mas é muito importante dizer que da folhinha da planta de coca até a cocaína, há uma longa distância: é preciso acrescentar 41 produtos químicos, cujas patentes pertencem aos países do Norte do Mundo. Mesmo assim, o governo americano e a grande mídia insistem em criminalizar os plantadores pobres da América do Sul, que dependem desse cultivo ancestral para sobreviver.

Texto para aprofundar esse assunto: https://diplomatique.org.br/coca-da-tradicao-ao-narcotrafico/

Como chegar ao Peru

Nós compramos uma passagem multidestinos pela Latam, chegando por uma cidade e voltando por outra, com direito a stopover, e é a melhor maneira de você viajar pra cá, vai por mim.

Com isso otimizamos muito a viagem ao não precisar voltar à cidade de entrada no país antes de chegar ao Brasil.

No aeroporto de Arequipa, Peru

Então nosso vôo foi: São Paulo-Arequipa-Juliaca. E depois Lima para São Paulo.

Veja aqui as melhores opções de vôo para sua viagem ao Peru.

Escolha bem as cidades e lugares que deseja visitar antes de comprar os bilhetes aéreos, e veja bem no Google maps as distâncias entre elas.

Como se deslocar dentro do Peru:

Você pode ir de avião, de ônibus ou van. Nós viajamos de todos esses transportes e alguns achei bom, barato e seguro, outros razoável (como a van). O trajeto que fizemos de Arequipa para Puno, pegamos um avião até Juliaca e de lá uma van até Puno. Já o trajeto que fizemos de Puno pra Cusco foi num ônibus de turismo e paramos pelo caminho vendo as lindas paisagens e ruínas históricas. Tudo comprado na hora. Foi ótimo!
Ah! E não senti segurança para alugar um carro.

Estrada no Peru!

Já de Cusco pra Lima foi em ônibus de linha.

Minutos antes de encarar cerca de 24 horas de viagem, e 1100 km, indo de Cusco para Lima, Peru. Não vale a pena, já que o avião gasta só 1 hora e meia.

As companhias de ônibus Cruz del Sur e Oltursa são amplamente utilizadas no país.
Existe a opção de primeira classe com cadeiras mais confortáveis e entretenimento de bordo.

Quantos dias ficar no Peru

Nós ficamos dez dias e achei muito corrido. O país é bem grande e os deslocamentos são bem demorados.

O ideal seria 15 dias para fazer o básico do país com calma, pois algumas atrações não consegui visitar.

Quero voltar para visitar a Montanha Colorida. Vinicunca, também chamada de Montanha de Sete Cores ou Rainbow Mountain, que possui uma altitude de 5.200 metros. Está localizada na região de Cusco e quando eu vim ela ainda não existia. Ou seja, ela era toda coberta por calotas glaciares, mas estas derreteram devido ao aquecimento global, e então revelou suas cores. O turismo em massa foi aberto em 2016. Foto retirada da Wikipedia

Melhor época para viajar ao Peru

Fomos em abril durante a semana santa e foi uma época excelente. Pegamos apenas uma hora de chuva em Cusco e, apesar de muita água ter descido de uma vez, passou logo, com direito até a arco íris nas ruínas de Saqsaywaman.

O Parque de Saqsaywaman, em Cusco, com seus 10 mil anos, é outro sítio arqueológico que funcionou como centro cerimonial sagrado e de estudos. Ele fica a 3650m de altura em relação ao nível do mar e foi construído com pedras enormes.

A alta temporada vai do final de abril a setembro, que são os meses que chove pouco.

Os meses de junho e julho são considerados os melhores para conhecer o país, e por isso as coisas são mais caras e lotadas. A temperatura média fica próxima dos 20ºC, mas prepare-se, pois à noite cai pela metade. Sem chuva e nuvem as paisagens maravilhosas ficam mais visíveis e isso é muito importante. Conheço tanta gente que foi a Machu Picchu e sequer viu as montanhas por causa do tempo nublado.

Ah, e tenho muita vontade de voltar pra cá é pegar a festa Inti Raymi em Cusco. Ela é celebrada todo dia 24 de junho de cada ano durante o solstício de inverno, ou seja, o início do Ano Novo Andino.

O Inti Raymi é uma antiga celebração religiosa Inca, em homenagem ao “Deus Inti”, ou Sol. Essa cerimônia foi proibida pela Coroa Espanhola em 1570 por ser considerada uma cerimônia pagã e contrária à fé católica, sendo realizada posteriormente de forma clandestina.

Foto retirada da Wikipedia. O local de realização da cerimônia é a Fortaleza de Sacsayhuamán

Atualmente o Inti Raymi é uma representação teatral, milhares de Cuzcoenses e turistas do mundo todo se reúnem para este evento, que é uma das mais importantes manifestações culturais e tradicionais do país (venha se você gosta de aglomeração). Essa festa nos lembra que os descendentes dos Incas ainda estão vivos.

Já a média temporada vai de setembro a novembro. Durante esse período os dias são mais longos e as chuvas não tão recorrentes. Nesse período os valores de hotéis e atrações estão mais baratos.

E por fim, a baixa temporada que vai de novembro a início de abril. O verão por aqui, apesar de não ser tão quente (temperatura média de 18 graus), tem muita chuva, com real risco de alagamento e desabamento.

Qual moeda levar para o Peru?

A moeda do Peru é o Novo sol. Nós levamos dólares e trocamos pela moeda local.

Foto retirada do site Trigometric.com

Uma boa casa de câmbio em Cusco é a Western Union na Plaza de Armas. Ah, e se você pagar em dólar ou real qualquer coisa no Peru – o troco vai ser sempre em nuevos soles.

O blog Viajando com Moisés conta a sua experiência e explica muito bem sobre qual moeda levar durante as viagens, de modo geral.

Compras no Peru:

Aqui foi um lugar que vi artesanatos lindos e coloridos. Destaco os artesãos peruanos e a delicadeza com que executam seu trabalho.

Artesanato em Chinchero, Peru.

E por aqui comprei lenços, cachecóis, toalhas de mesa, canetas, chaveiros, gorros de lã, blusas de frio, ponchos, bolsas, camisetas, pequenas cerâmicas e outros artigos de decoração, jóias em prata, chás e balas da planta típica local, etc.

A 40 minutos de Cusco, no Vale Sagrado dos Incas está o pequeno povoado de Pisac, onde há um colorido mercado.

Ah, e no final da viagem comprei uma mala extra pra trazer as compras. Kkkk.
Lembrando que aqui dá pra negociar bem!

Balinhas de coca (peça por caramelos de coca) vendidos no aeroporto do Peru.

Nem só de artesanato vive as compras no Peru. Por aqui você encontra lojas de marcas mundiais como por exemplo a North Face. Dizem que os preços são melhores do que os preços do Brasil. Então muita gente que vai fazer trilhas e caminhadas compras os artigos específicos aqui.

Culinária peruana

Almoço em um restaurante no Vale Sagrado.

A deliciosa culinária peruana já foi eleita várias vezes pelo World Travel Awards (WTA), como a melhor do mundo. Foi declarada também como Patrimônio Cultural das Américas.

Impossível falar desse assunto sem contar um pouco da história. Talvez assim explique o porquê dessa gastronomia ser uma das mais renomadas e famosas de todo o planeta atualmente.

Ela é muito diversa (Você sabia que existem mais de 3 mil tipos de batatas no Peru?), sendo o resultado da mistura da tradição dos povos originários locais, com a cozinha espanhola, que por sua vez, fortemente influenciada pela presença dos mouros e árabes, além dos costumes culinários trazidos pelos escravos africanos.

Depois disso tudo, entre o sec. XVIII e o XIX, muitos chefs franceses fugiram pra cá, (leia-se Napoleão botando pra quebrar lá na Europa) e radicaram-se na capital do Vice-Reino do Peru. E já no século XIX ocorreram também grandes imigrações de japoneses, italianos e chineses (que inclusive é aqui no Peru onde está a maior comunidade chinesa na América Latina).

A arte culinária peruana está em constante evolução e, somada a variedade de pratos tradicionais, é impossível estabelecer uma lista completa e fechada de seus pratos.

Prato do Restaurante Maido, em Lima. 2 dos 10 melhores restaurantes do mundo estão no Peru. Foto retirada do site Segredos do Mundo.

No litoral, os peixes e frutos do mar são os ingredientes básicos das receitas. O ceviche é um dos mais famosos pratos peruanos. Eu simplesmente adoro. É um prato de peixe cru marinado com suco de limão, que nasceu da fusão com a cozinha japonesa. Ele tem a companhia de pratos como o lomo saltado, que é file mignon, tomate, cebola roxa, molho shoyu e batata frita servido com arroz.

Ceviche

Falando em pimenta não podemos esquecer do Ají. No Peru existem quase 50 tipos de ají. Todos com um nível de ardor diferente, alguns só são utilizados para dar sabor ao prato enquanto outros são protagonistas excepcionais na mesa peruana.

Chupe Peruano é uma sopa cremosa de camarões com arroz, queijo fresco, ervilhas e ovo pochê e ají. Foto: Renata Gabriel

Um dos ingredientes muito usado na culinária peruana é o milho, encontrado em vários tamanhos e cores. Que coisa linda!

Algumas das carnes muito apreciadas pelo povo da região das Montanhas são o cuy, ou porquinho-da-Índia, a lhama e a alpaca.

Pra gente pode parecer estranho mas no Peru é super normal essa iguaria. Apesar de ter sido chamado de “porquinho da Índia” ele é nativo dos Andes e é tratado aqui como se fosse a nossa galinha caipira.

Outra bebida típica muito conhecida é a Chicha, feita de milho e que pode ser com ou sem álcool.

Gente, olha a cor desse milho que mais parece um suco de uva.

Aqui eu também bebi algumas cervejas locais, como a Cusqueña, Paceña e a Arequipeña, além do tradicional Pisco Sour. O drink tem como base a bebida chamada pisco, que é uma água ardente destilada da uva. Para fazer o drink, acrescente suco de 3 limões, açúcar a gosto, 1 clara de ovo e 1/2 bandeja de gelo em cubos.

Além da cerveja, o pais produz, há mais de 80 anos, um refrigerante de erva-cidreira, chamado Inca Kola, de cor amarelada e muito doce.

Outra bebida amplamente consumida há centenas de anos por aqui é o mate de Coca. Tem um efeito semelhante ao do café, portanto, é um estimulante leve, não uma droga (como a cocaína).

O mate é feito com a folha da coca inteira, natural, sem processar. Portanto, não causa dependência, ao contrário da cocaína. O chá é usado nas regiões andinas da América do Sul para combater o mal da altitude e algumas dores menores, porque se considera que tenha algum efeito anestésico local.

Nosso roteiro de 10 dias no Peru

Lembrando que mesmo nos hostels pegamos quartos e banheiro privativos, e todos tinham café da manhã.

3 noites em Arequipa. Hotel Sol de Arequipa

A cidade colonial de Arequipa é Imperdível. Cercada por 3 vulcões, ela tem edificações barrocas construídas com silhar, uma pedra vulcânica branca.

2 noites em Puno. Hotel Tierra Viva Puno Plaza

Igreja de Santa Elizabeth, Pukara. Conheci essa cidade vindo de Puno. Nessa região tem várias atrações, como por exemplo, o Lago Titicaca.

4 noites em Cusco. Kokopelli Hostel Cusco (aliás, Cusco é “O” lugar pra você ficar em hostel e em quarto compartilhado para fazer muitas amizades, se essa for a sua intenção. A cidade tem muito esse clima.

Cusco é considerada a “Roma das Américas” pela grandiosidade de seus monumentos e de suas igrejas localizadas no coração da cidade. Destaco que existem muitas outras atrações turísticas além de Machu Picchu. Foi uma das cidades que eu mais gostei de visitar até hoje.

1 noite em Lima. Hotel Continental Lima

Lima, capital do Peru, está situada na árida costa do Pacífico do país. Seu centro histórico colonial é muito preservado, e é uma metrópole movimentada e uma das maiores cidades da América do Sul.

Outras dicas importantes para sua viagem ao Peru:

Na época que fui eu tinha certa insegurança em contratar serviços e comprar coisas pela Internet então cheguei ao Peru apenas com a passagem de volta para o Brasil comprada (detalhe que eu acabei perdendo esse vôo Kkkk). Sem pesquisas, reservas, nem absolutamente nada.

A única coisa que eu sabia é que queria ir pra Machu Picchu e mesmo assim, nem sabia como eu faria isso.

Pra você ter uma idéia, nem o ingresso de Machu Picchu eu tinha. A sorte é que encontramos disponíveis para comprar, mas mesmo assim, não foi da forma que eu queria.

Eu não tinha a menor idéia que deveria comprar nem o ingresso de Machu Picchu e nem o do trem com antecedência.

Aí cheguei em Cusco, fui até a agência de turismo localizada próxima à Plaza de Armas e disse:

–Moço, por favor, gostaria de dois ingressos pra Machu Picchu pra subir a Montanha de Huayna Picchu para amanhã! Aí ele disse que estava esgotado, que é um passeio que tem que reservar com antecedência e sai muito cedo, que tem que dormir em águas calientes, e que só dava pra fazer o outro pra visitar as Ruínas. Eu fiquei um pouco desapontada, mas tudo bem. Quem sabe na próxima?

Partiu Machu Picchu. A mais conhecida forma de chegar a esse lugar mágico é de trem! Uma vez em Cusco, se toma esse trem até a cidade de Aguas Calientes ou segue por trilha. De lá, 30 minutos de ônibus para realmente chegar a Machu Picchu.

Note também que o único site oficial de venda dos ingressos para Machu Picchu é o do governo peruano.

1- Então veja direitinho quais passeios você quer fazer:

Se quer ir apenas às Ruínas, se quer subir a Montanha Huayna Picchu, ou se deseja fazer a trilha Inca que varia de 2 a 4 dias.

Lembrando que se eu comprasse tudo individualmente (o ingresso, o trem e o ônibus) ficaria mais barato, mas, naquele momento achei mais fácil e confortável contratar uma agência pra fazer tudo isso pra mim.

Em águas calientes aguardando pra pegar o ônibus pra Machu Picchu.

Os ingressos para Machu Picchu têm hora marcada para entrar, e o parque tem um limite diário de entrada de pessoas, então compre tudo com antecedência pois existe o risco real de não ter ingresso pra você entrar.

Machu Picchu é um dos lugares mais famosos do mundo.

Dica quente: Assista ao nascer do sol em Machu Picchu. Chegue às 6h, horário em que o sítio arqueológico abre. Se você não quiser acordar cedo fique para assistir ao pôr do sol, às 17h30. A experiência deve ser inesquecível. Vai estar beeem mais vazio.

Muita gente leva o passaporte para ganhar um carimbo do local. Lembrando que passaporte não é obrigatório para entrar no Peru. Essa dica do carimbo em Machu Picchu é só uma gracinha, para esse lugar fantástico ficar mais marcado na sua memória.

Foto retirada da página Proyecto Peru no Instagram.

2- Reserve seus hotéis e transfers com antecedência.

Nessa viagem, assim que eu chegava nos aeroportos das cidades íamos direto para o Balcão de Informações Turísticas e “hablávamos” assim: “Holla que tal? Nos gustaría un hotel con habitación y baño privados, desayuno incluido y agua caliente en la ducha por hasta $ 30 la noche”.

A pessoa mostrava algumas opções, eu perguntava qual ele recomendava e íamos pra lá. Teve uma vez que eu achei super engraçado. Eu pedi sugestões de hospedagem e a pessoa indicou algumas opções e completou: as opções são essas, mas se você escolher essa aqui tem o transfer pra lá incluído. Adoramos! Foi aquela mesmo.

Mas demos sorte. Conheço muita gente que já pagou muito caro em deslocamentos do aeroporto para o hotel porque não tinha pesquisado anteriormente.

Numa van indo de do Aeroporto de Juliaca pro centro de Puno, Peru. 1 hora de viagem, 48 km de distância.

Reserve antes o hotel e confirme direitinho se a sua hospedagem tem transfer incluído. Muitos têm e podem sair mais barato do que pegar um táxi no aeroporto. Reserve pelo booking.com.

3- Cuidado com o Soroche na região de Cusco

Os 3.400 metros de altitude de Cusco não devem ser desprezados. Ou seja, quanto maior a altitude, menos oxigênio tem – e pior nos sentimos. Nossa respiração e batimentos cardíacos ficam mais rápidos enquanto o nosso corpo tenta se habituar às novas condições de clima. Os principais sintomas são desconforto, palpitação, falta de ar, tontura, enjôo e dor de cabeça.

A dica é: respeite seu corpo e descanse no seu primeiro dia em Cusco, para se aclimatar.

Coma coisas leves, beba bastante água, evite álcool, caminhadas muito extensas ou subidas e escadarias.

Não é preciso ficar só no hotel, mas faça pouco esforço, evitando passeios longos e muito esforço físico no primeiro dia.

Na Bolívia fui obrigada a recorrer ao “Soroche Pils” (basicamente uma mistura de aspirina com neosaldina) além de folhas de coca (mastigá-las ajuda bastante contra os efeitos da altitude).

Se quiser levar algum medicamento, por favor, consulte seu médico antes para não ter nenhuma reação indesejada, além de ter um bom seguro viagem. É bastante comum os médicos serem acionados por causa disto. Por isso reforço a importância do Seguro viagem, e recomendo que você faça uma cotação no nosso site parceiro onde você vai encontrar quase todos os seguros disponíveis no mercado. Contrate aqui com o melhor preço e com ótimo desconto.

Mais importante do que qualquer chá e folha de coca, o repouso no dia de chegada é primordial.

4- Fique os dias adequados nos locais

Achei que fiquei muito pouco tempo em Lima, queria ter ficado mais dias em Cusco e queria ter visitado o lado boliviano do lago Titicaca. Então pesquise bem os passeios que você quer fazer para não ir embora deixando de ver tanta coisa importante.

Américas Peru

1 comentário Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: