Visite a Argentina: um dos primeiros destinos internacionais dos brasileiros

Assim como os Estados Unidos, Chile, França e Itália a Argentina sempre figura no radar de nós brasileiros como destino para nossas férias.

Eu particularmente adoro passar finais de semana prolongados ou férias por aqui. Sua capital, Buenos Aires é uma cidade muito divertida, vibrante e com inúmeras opções de lazer, cultura e deliciosa gastronomia.

A Floralis generica é uma escultura metálica situada na Plaza de las Naciones Unidas, no bairro Recoleta, da cidade de Buenos Aires. A flor possui um sistema elétrico que abre e fecha as pétalas. Durante a noite a flor fecha e emana de seu interior um brilho vermelho e abre-se todas as manhãs às 8h e termina ao pôr do sol.

Ah, mas este belo país oferece muitas outras atrações além do tradicional roteiro em Buenos Aires.

Já visitei o país mais de 5 vezes e espero vir pra cá mais umas 5 vezes ainda (no mínimo).

Esse destino oferece desde paisagens desérticas no norte, até geleiras famosas no sul, além de Ushuaia, considerada a cidade mais ao sul do mundo.

A geleira Perito Moreno é um glaciar localizada no Sul do país próximo a cidade de El Calafate. Essa geleira é considerada uma das reservas de água doce mais importantes do mundo.

E Bariloche? Que cidade bucólica e encantadora. Além de ter uma beleza estonteante no verão, é o destino mais popular de esqui no inverno, sem contar que no outono surge uma das paisagens mais belas que eu já vi. É um excelente destino para crianças e famílias em geral. Leia mais aqui.

Navegando no Lago do Parque Nacional Nahuel Huapi, Bariloche, Argentina. Fizemos a travessia do Cruce Andino para o Chile.

Sem dúvida nenhuma a Argentina com seus encantos é visitada por turistas dos 4 cantos do mundo!

Preparamos este texto com algumas dicas importantes, para você já chegar sabendo e fazer viagens inesquecíveis, como foram as minhas! Partiu!?

Localizando a Argentina:

É o segundo maior país da América do Sul em território e o terceiro em população, e sua capital é Buenos Aires. É o oitavo maior país do mundo em área territorial e o maior entre as nações de língua espanhola (embora México, Colômbia e Espanha, que possuem menor território, sejam mais populosos).

A Argentina fica a oeste da Cordilheira dos Andes, a leste do oceano Atlântico, ao norte com o Paraguai e Bolívia, o Brasil e Uruguai a nordeste e finalmente com o Chile a oeste e sul.

O país ainda reivindica uma parte da Antártida, as ilhas Sandwich do Sul, Malvinas (não confundir com Ilhas Maldivas) e Geórgia do Sul, que são administradas pelo Reino Unido como territórios britânicos ultramarinos.

Um pouco da História da Argentina:

O mais antigo registro de presença humana nessa área é datado do período paleolítico.


A Cova das Mãos ou Cueva de las Manos é uma caverna localizada na província de Santa Cruz, Argentina. A caverna situa-se na Patagônia, e é famosa pelas pinturas de mãos feitas por indígenas locais (provavelmente os antepassados dos Tehuelche) há 9000 anos.

Já os europeus chegaram pela primeira vez à região com a viagem de 1502 de Américo Vespúcio, e a colonização espanhola iniciou-se em 1512.

Com isso a Argentina surgiu como o Estado sucessor do Vice-Reino do Rio da Prata, uma colônia espanhola fundada em 1776. A declaração (e a luta pela independência de 1810 a 1818) foi seguida por uma grande guerra civil, que durou até 1861.

Como vários países da América do Sul, durante a segunda metade do século XX, a Argentina enfrentou também vários golpes militares e períodos de instabilidade política, junto com crises econômicas.

Juan Domingo Perón, presidente da Argentina por três mandatos, e sua esposa Eva (ou Evita), fundadores de um movimento político conhecido como peronismo. Ele nacionalizou indústrias e serviços estratégicos, melhorou os salários e as condições de trabalho, pagou toda a dívida externa e conseguiu quase o pleno emprego. A economia, no entanto, começou a declinar em 1950 por causa do excesso de despesas. Sua esposa altamente popular, Eva Perón, tinha um papel político central. Ela incentivou o congresso para decretar o sufrágio universal das mulheres em 1947 e desenvolveu uma assistência social sem precedentes aos setores mais vulneráveis da sociedade.

A Argentina é um membro fundador da Organização das Nações Unidas, do Mercosul, da União de Nações Sul-Americanas e da Organização Mundial do Comércio e continua sendo um dos G20.

Quando ir à Argentina?

Das vezes que fui, a maioria foi no verão entre dezembro e janeiro, nas férias escolares. Uma dessas, foi em abril, no feriado da Semana Santa, no outono.

Paisagem de se emocionar com as cores do outono na Patagônia Argentina.

O país é visitável o ano todo, sem dúvida, mas depende bastante do que você quer encontrar, e da região que você quer ir.

Por exemplo. A capital Buenos Aires faz muito calor no verão, no entanto, as flores do Parque Rosedal estão em extrema floração nessa época.

Já Março, abril, outubro e novembro são meses bastante agradáveis em relação à temperatura, que variam entre 15°C e 20°C.

Temperaturas cedo de manhã no mês de abril. Detalhe para a temperatura em Bariloche. Brrrr. Que frio!

De maio a setembro o clima fica mais frio ainda, com mínimas abaixo de 10°C e máximas abaixo de 20 graus. Nesses meses chove pouco, lembrando que Buenos Aires não neva.

Já Bariloche fica divina tanto no inverno quanto no verão, e contei detalhes dessa cidade aqui.

Na região da Patagônia Argentina mesmo no verão os picos (chamados Cerros) ficam cobertos de neve.

Como chegar à Argentina:

Essa é a melhor parte: É possível ir de ônibus ou mesmo carro mas existem vários voos diretos de muitas cidades do Brasil para Buenos Aires. O voo é rápido, prático e barato.

Veja aqui no Skyscanner a melhor opção para sua viagem.

Chegando em Buenos Aires, Argentina. Detalhe para a linda lua cheia.

Além disso, não é necessário passaporte e nem visto, e você pode vir com a carteira de identidade. Lembrando que a foto do RG deve estar reconhecível. Eu nunca viajei só com o RG. Acho meio arriscado. Imagina o policial da fronteira julgar minha foto irreconhecível. Aí eu faço o quê!? Muito melhor levar o passaporte válido para não passar por esse tipo de situação.

Outra coisa que eu não sei se procede ou se é lenda urbana é que o RG deve ter menos de 10 anos de expedição. Se alguém tiver certeza dessa informação, favor escrever nos comentários.

Seguro Viagem também não é obrigatório, mas eu realmente acho essencial:

Imagine, por exemplo, ter uma intoxicação alimentar ou se machucar acidentalmente?

Na verdade trata-se de ter uma garantia caso a gente precise de um bom suporte em alguma emergência ou contratempo durante a viagem.

Imprevistos acontecem e ninguém quer passar por dificuldades fora de casa e do país!

Imagine que eu, ao cheirar essas papoulas em Bariloche fosse picada por insetos e causar séria alergia? É realmente muito importante eu estar segurada.

Normalmente o preço do seguro vai depender da quantidade de dias e do plano escolhido.

O blog só recomenda produtos que usamos. Acesse aqui as melhores cotações dos seguros com desconto.

Por onde andamos na Argentina:

Na primeira vez em Buenos Aires foram 4 noites e ficamos hospedados no Centro da Cidade no hotel Unique Executive Central porque queríamos ficar perto da Rua Florida. Na segunda vez me hospedei em um Navio, pois eu estava fazendo um Cruzeiro Marítimo e foram duas noites. Na útima vez, também duas noites, ficamos em Palermo no hotel Dazzler by Wyndham Polo.

Na varanda do quarto no hotel Dazzler by Wyndham Polo em Palermo Soho, Buenos Aires, Argentina.

Em outra vez ficamos hospedados no MD Inn Bed & Breakfast, em Ezeiza, próximo ao Aeroporto, pois nosso voo era bem cedinho, no dia seguinte, e não compensava ir à região central de Buenos Aires. O aeroporto está cerca de 30 km da capital.

Na região da Patagônia, em Bariloche ficamos hospedados no hotel Hotel Três Reyes, no centro da cidade e em outra vez em chalés num bosque da região do Circuito Chico. O nome dos Chalés que ficamos chama Cumelcán, e o telefone para reservar é +54 9 294463-4155. Os proprietários falam português e são super atenciosos. Aliás muita gente em Bariloche entende super bem português.

Nosso chalé em Bariloche era digno de um Conto de fadas. 😍

Quando visito o Parque Nacional Iguazú, em Puerto Iguazú, Misiones, Argentina, fico hospedada no Hotel Rafain Centro, no lado brasileiro, em Foz do Iguaçu.

Use o Booking.com para reservar seus hotéis na Argentina.

Que moeda levar para a Argentina?

A moeda é o Peso Argentino. Eu nunca comprei a moeda aqui no Brasil. Só vale comprar pesos aqui no Brasil para levar pra lá se for em Foz do Iguaçu, pois, por fazer fronteira com a Argentina, a cotação é boa. E algumas cidades do Brasil lotadas de argentinos como Búzios RJ ou Bombinhas SC possuem cambistas com boas cotações também. Para saber se a cotação está boa, compare com a do Banco Nación (veja aqui). https://www.bna.com.ar/Personas

Eu sempre levo dólares para trocar por peso em Buenos Aires. Já meu marido prefere levar reais e trocar por pesos no Banco de La Nacion no Aeroporto Internacional de Ezeiza, mas fora de Buenos Aires, levar reais é sempre desvantajoso.

O melhor lugar para trocar seus reais é logo no aeroporto de Ezeiza, onde tem uma agência do Banco de la Nación. Importante saber que agência funciona 24 horas por dia, 365 dias por ano (apesar que uma das vezes eu peguei ela em greve, mas é raro isso acontecer). Já a agência do outro aeroporto da cidade chamado Aeroparque abre 365 dias por ano, das 6h30 às 23h30. Consulte o site DolarHoy, que compara a cotação para reais do Banco Nación e da Cambios Alpe, no centro de Buenos Aires.

Comidas e Bebidas típicas da Argentina:

Eu costumo falar que Buenos Aires é a cidade mais europeizada da América do Sul, e as comidas típicas daqui não são diferentes, ou seja, o país possui muita influência europeia.

O país tem fama de se comer muito bem pagando pouco, então uma refeição completa com entrada, prato principal, sobremesa e vinho sai bem mais barato que em muitas capitais brasileiras.

Quando você fala sobre gastronomia da Argentina o que vem a sua cabeça?

Na minha vem parrillada (diversos tipos de carne assados no carvão, praticamente o churrasco deles), batatas e bife de chorizo (não confundir com chouriço, que é um tipo de linguiça). O Chorizo Argentino é um corte nobre do boi, com dois dedos de altura selado na grelha e depois assado em churrasqueira, deixando o interior rosado e suculento. Dica: a carne não costuma ser salgada durante o preparo, então corrija o sal na mesa mesmo.

Tem também a Milanesa, que é um bife empanado em ovo e farinha e frito. Às vezes acompanha molho de tomate e “queso”, inclusive em sanduíches! Existe também a Suprema, que é tipo uma Milanesa, só que com “pollo” (frango) no lugar do boi. Ah, peça a Suprema recheada com “jamón y queso” (presunto e queijo) que é uma delícia.

Olha só a alegria da pessoa ao comer uma Milanesa. Restaurante La Fonda del Tio, em Bariloche.

As empanadas fazem muito sucesso, porque são bem baratas e existem uma variedade de sabores como carne, queijo, vegetariana, etc .

O choripán é o nosso pão com linguiça com o delicioso molho chimichurri de acompanhamento.

O Lomo também é muito consumido, sendo uma carne macia, preparada de maneiras diferentes de acordo com cada região (ou até país). Eu particularmente aprecio muito o Lomo a lo pobre e o Lomo Saltado. É um filé de carne grelhada, servido com fritas, com molho e por cima, ovos fritos.

E os sorrentinos, já ouviu falar? É uma massa bastante consumida na Argentina. Pode ser encontrada em diversos recheios e possui um formato de chapeuzinho gordo.

Foto retirada do site unaricareceta.com, que tem também uma receita.

A Patagônia foi exposta à influência de tribos indígenas nativas, em particular, as dos mapuches, e um prato típico elaborado por eles é o ‘curanto’ (que significa ‘pedra quente’). Seu processo de preparação é o seguinte: cava-se um buraco não muito fundo no solo, no qual as pedras incandescentes ficam dentro de uma fogueira. Cobre-se com folhas típicas da região onde são colocadas as carnes e as verduras como: carne de boi, carneiro, porco, frango, linguiças, batatas, maçãs, cenouras e abóboras recheadas com queijo e ervilhas.

Todos estes alimentos são cobertos por sua vez com folhas e pedaços de tecido úmido, para garantir a preservação do calor. Depois, a preparação é coberta com um monte de terra, virando tudo isso um forno de verdadeira pressão. Então fumaça e vapor começam a aparecer da terra, quando a comida estiver pronta.

E os doces Argentinos? É de comer rezando!

As medialunas são como os croissants franceses, e tomar Café em Buenos Aires sem essa iguaria, definitivamente, não pode!

Seja de manhã, no café da tarde ou até mesmo à noite. Muitas vezes elas são recheadas de queijo, presunto, chocolate, creme ou …
…Doce de Leite! Dizem que Argentina e Uruguai disputam quem inventou o famoso doce de leite, mas nós brasileiros estamos tranquilos, porque nosso Doce de Leite Mineiro é também incrivelmente delicioso.

As medialunas estão à direita da foto.

Os Helados daqui são também muito pedidos. Eu conheço gente que fala que o sorvete Argentino só perde para o Italiano. Qual é o seu favorito? O meu é de dulce de leche. Um dos mais famosos é o da marca Freddo.

E os alfajores? Esse bolinho redondo e macio recheado com dulce de leche, coberto com chocolate ou açúcar tem gosto de Argentina. Você sabia que a iguaria tem origem árabe e chegou ao país através dos espanhóis? O mais famoso é o da marca Havana, mas em qualquer “kioske” tem uma variedade de opções.

Fondue de chocolate em Bariloche não é uma má ideia!

E as bebidas?

Vamos começar falando do mundialmente conhecido e delicioso vinho Argentino. O país é o quinto maior produtor de vinhos do mundo e possui cerca de 210 mil hectares de vinhedos plantados.

Os vinhos tintos — principalmente com as uvas Malbec e Cabernet Sauvignon —, estão entre os que mais agradam.

A uva Bonarda também é plantada na Argentina e tem rendido bons vinhos tintos.

Existem inúmeras outras uvas, como Syrah, Pinot Noir, Tempranillo, Merlot e Sauvignon Blanc além de vinhos brancos, onde predomina o uso da casta Chardonnay.

O Mate também é bastante consumido no país. A bebida de origem indígena, tem como forma de beber bem parecido com o do chimarrão no Rio Grande do Sul, aqui no Brasil. É uma bebida que de tão adorada, tem até um dia para chamar de seu. No dia 30 de Novembro é o Dia do Mate (aqui no Brasil a gente comemora dia 24 de abril). O mate pode ser apreciado sozinho ou entre amigos, como um meio de socialização.

O que comprar na Argentina?

Em geral, os vinhos argentinos possuem excelente custo/benefício.

Além disso o país produz nada menos que um dos melhores vinhos do mundo como o Catena Zapata e o Catena Alta, que são as principais referências de qualidade em vinhos argentinos atualmente.

Adoro fazer compras durante as viagens, e vocês? Supermercado em Bariloche, Argentina.

Além dos vinhos, quando eu viajo pra cá eu compro doce de leite, alfajores e chocolates para dar de presente como souvenirs, além da erva mate.

Já comprei muita roupa também, principalmente as de couro.

Mas no momento o que eu adoro comprar aqui, e que eu acho mais barato que no Brasil são maquiagens, perfumes e cosméticos em geral.

Dica quente pra quem está em Buenos Aires é a rede de farmácia chamada Farmacity. É um paraíso de artigos de beleza, com uma infinidade de marcas.

Os produtos feitos de Rosa Mosqueta são facilmente encontrados por aqui, como óleos, cremes e até mesmo usados na gastronomia para fazer conservas, geleias, chás e licores.

Plantinha de Rosa Mosqueta, bonita, né? Você já conhecia?

Lembrando que a Argentina possui a política de “Tax Free”. Ou seja, os estrangeiros que compram em lojas vinculadas ao programa podem solicitar um formulário de devolução do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), equivalente a 21% da compra total. Isso é muito bom! Os formulários devem ser apresentados nos guichês Global Refund Tax Free dos aeroportos na hora de deixar o país.

E a música?

O tango é o mais famoso estilo musical do país.
Foi integrado pela UNESCO na lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2009, sendo associado aos países da Argentina e Uruguai.
Ir a um show de tango é bem legal, inclusive eu fui ao Señor Tango duas vezes, e valeu a pena, mas vá também a uma milonga, que é onde os moradores locais dançam ao som dos tradicionais discos de Carlos Gardel.

Milonga é um estilo de música e dança tradicional de várias partes da América Latina e da Espanha. É o ritmo da Argentina, do Uruguai e até do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, Brasil.
Na Argentina e Uruguai, também são chamados “milongas” os bailes onde se dança o tango e, por extensão, os locais onde esses bailes se realizam.

Pelas ruas de Buenos Aires há várias estátuas referente a cultura do país

Não podemos nos esquecer de Mercedes Sosa.
Ela foi uma cantora argentina, uma das mais famosas na América Latina. A sua música tem raízes na música folclórica e também é uma das minhas cantoras favoritas.

Mercedes Sosa com Chico Buarque, Caetano Veloso, Milton Nascimento e Gal Costa

Já a Cumbia foi uma grata surpresa. Conheci uma turma de argentinos que me apresentou esse ritmo. É o que mais toca nas baladas de jovens, e todas as boates da moda têm seu momento de cumbia argentina. Esse ritmo tem uma forte influência da cumbia colombiana, país onde nasceu este ritmo musical caribenho, mas a cumbia argentina tem diferenças na melodia, nos instrumentos utilizados, na forma de dançar e nas letras.
Ela já era ouvida nos anos 70, mas no final do século XX, em plena crise econômica na América do Sul, nasceu à cumbia villera, cantada por músicos dos setores mais pobres da sociedade. O conteúdo das canções fala da violência e da precariedade que se vive nos bairros menos favorecidas de Buenos Aires (eu particularmente acho que esse ritmo foi inspirado pelo nosso funk brasileiro). Atualmente, a cumbia é ouvida e dançada em todos os setores da sociedade e suas letras também estão diversificadas.

Tango no Caminito

Américas Argentina

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: