Turismo em Copenhagen, Dinamarca

Acordamos bem cedo em Estocolmo, pegamos um trem e pela janela avistamos vilas repletas de casinhas rústicas, planícies verdejantes e uma enorme ponte que liga a Suécia a Dinamarca, um verdadeiro cenário de conto de fadas com toques de tecnologia (Europa sendo Europa, né?).

A Ponte de Øresund é uma ponte que liga a Dinamarca à Suécia.
Com 7845 metros de comprimento, é a maior ponte rodoferroviária da Europa por cima da água.

Como chegar a Copenhague, Dinamarca

O Brasil não tem voos diretos para nenhuma cidade da Escandinávia, então será necessário fazer pelo menos uma conexão.

Se você já estiver na Europa (como foi nosso caso), pegamos um voo para Estocolmo, na Suécia, e fomos de trem para Copenhague.

Café da manhã! Adoro andar de trem!

Compramos as passagens de Estocolmo para Copenhague pelo site Omio.com daqui do Brasil mesmo, e comprando com uns 2 meses de antecedência sai bem em conta.

Compre aqui seu voo para Copenhague na Dinamarca pelo Skyscanner.

Um pouco da história da Dinamarca

Mapa do Norte da Europa retirado do site
https://www.guiageo.com/europa.htm

O país é constituído por cerca de 400 ilhas, além da parte do continente que faz fronteira com a Alemanha. E por estar no limite entre a Escandinávia e a Europa esse país apresenta características dessas duas regiões.

Achados arqueológicos indicam que a região já era povoada há 25 mil anos, e até hoje possui alguns povoados Vikings.

Era um período difícil de guerras constantes pelo controle das rotas marítimas e graças aos seus barcos velozes e a seus furiosos guerreiros, em 1033 os dinamarqueses chegaram a controlar parte da Europa e das rotas comerciais.

O Porto de Copenhagen (Nyhavn) foi feito entre 1671 e 1673 a mando do rei Cristiano V, para permitir o acesso dos barcos mercantes. Muitos mercadores ricos instalaram-se ao seu redor, dando início à era de ouro de Nyhavn. Os dias de prosperidade chegaram ao fim no início do século XIX, quando os mercadores abandonaram a zona depois do bombardeamento da cidade por parte da marinha inglesa em 1807, durante as Guerras Napoleônicas. Atualmente esse Porto foi revitalizado e agora é o cartão postal da cidade.

A família real dinamarquesa que atualmente está no poder pode traçar sua linhagem até os reis vikings do século X, fazendo com que a monarquia da Dinamarca seja a mais antiga na Europa. Incrível né?

Christiansborg é um palácio sede do Parlamento Dinamarquês, além de ser escritório do Primeiro Ministro e também da Suprema Corte da Dinamarca. É a única construção do mundo que abriga os três poderes simultaneamente. Algumas partes do palácio, também são usadas pela monarca, incluido as Salas de Recepções, a Capela e os Estábulos Reais. Está localizado na ilha de Slotsholmen, no centro de Copenhague.

Atualmente, seus cidadãos desfrutam de um alto padrão de vida com sistemas de educação e saúde custeados pelo Estado, através de elevados impostos.

Para se ter noção do tamanho da Dinamarca, ela é um pouco menor que o Estado do Rio de Janeiro.

Pelas ruas de Copenhagen, Dinamarca

Seguro viagem para Copenhague, Dinamarca é obrigatório

Você sabia que para desembarcar em Copenhague na Dinamarca este item é obrigatório? Copenhagen faz parte do Tratado Schengen, que tem a exigência do seguro viagem com uma cobertura mínima de 30 mil euros como uma das suas condições.

Encontre aqui as melhores opções no Seguros Promo, que oferece os preços mais baixos e os planos mais recomendados do mercado.

Turismo em Copenhague

Ficamos hospedados no Hostel Sleep in Heaven, e indicamos. Muito bem localizado, moderno e atendimento atencioso.

Escolha aqui seu hotel em Copenhague pelo Booking. Você não paga nada a mais e ajuda o blog a se manter! 😊

No dia que chegamos andamos um pouco pela cidade e percebemos o quanto ela é agradável e fácil para passear. Fomos parar na Kastellet.

É uma Fortaleza do século XVII onde atualmente ocorrem eventos grátis.

Por dentro da Fortaleza

Depois, quase no pôr do sol, passamos por uma bonita igreja Anglicana, a St Alban’s church, e continuamos caminhando.

Por ali avistamos a famosa Pequena Sereia (uma modesta escultura em bronze dedicada ao escritor Dinamarquês Hans Christian Andersen, que escreveu o conto original).

Impossível não perceber o lindo cisne na água próxima à estátua da Pequena Sereia.

Depois chegamos ao “Palácio de Amalienborg. É um conjunto de 4 palácios em estilo Rococó do séc XVIII que tem museu e apresentação da guarda real.

Foto da Wikipedia
Olha a Guarda Real aí, gente! Em cada meio-dia há uma mudança cerimonial da guarda, acompanhada por música. Palácio de Amalienborg, Copenhague, Dinamarca

E no final do dia passamos pelo bairro mais famosinho de Copenhagen, Nyhavn, o revitalizado Porto, e jantamos por aqui.

Quando voltamos para o Hostel, percebemos que a maior parte da população só se desloca de bicicleta.

Imagina você ter que encontrar sua bike por aqui!

Aí no dia seguinte fizemos um city tour com uma brasileira que mora aqui, chamada Laura Sette do blog 7 Cantos do Mundo e foi ótimo. Ela é viajada, culta, inteligente, agradável e com muito conhecimento da cidade e do país que reside.

A Laura tem um ótimo e completo blog sobre viagem e turismo. Acesse
https://7cantosdomundo.com.br

Nós fizemos um tour de cerca de meio dia pela cidade com explicações perfeitas e indicações de restaurantes e pontos turístico. Super indico!

Passamos pela Dronning Louises Bro (Ponte Queen Louise’s) a caminho do Mercado Torvehallerne.

Dia maravilhoso na Ponte Queen Louise’s

Esse mercado é uma agitada praça de alimentação bem no centro da cidade de Copenhagen. E tem de tudo por aqui, desde produtos locais como barracas de peixe fresco, carnes, vegetais da época, bebidas e refeições gourmet prontas para comer.

Ele também é perto da movimentada Nørreport Street e dos lagos cristalinos, sendo perfeito para comer algumas guloseimas e ver o pôr do sol da ponte.

Mercado Torvehallerne

Depois seguimos para o bonito Jardim Botânico.

Botanical Garden, Copenhague

O jardim é esplendoroso, muito bem cuidado e possui espécies do mundo todo. E uma estufa com plantas e clima de floresta tropical. Me senti por um instante de volta ao Brasil e tive até que tirar o casaco 😂.

Victoria Regia brasileira em Dinamarquês

Depois seguimos para o lindo castelo Rosenborg.

(Rosenborg Slot)

O castelo foi construído em 1606, e representa bem a arquitetura do período do rei Christian IV. Atualmente está aberto para turistas. Contém um vasto acervo com objetos da família real, do século XV ao século XIX, incluindo as Jóias da Coroa Dinamarquesa.

Seu entorno tem um bonito parque onde as pessoas descansam e fazem piquenique.

Depois voltamos para o movimentado centrinho. Que cidade agradável e alto astral! Não me canso de repetir que adorei o clima ( mas não gosto nem de pensar como seria no inverno).

Movimento no final do verão Escandinavo

Avistamos a Torre Rundetarn. Construída no século XVII para servir de observatório astronômico. Durante a subida da torre aproveite e compre uma bebida no bar que há ali para desfrutar junto com a vista deslumbrante.

Gostamos realmente de passear pela cidade. Nada que falarmos aqui vai expressar o quanto a cidade estava animada.

Finalmente andamos de barco pelos canais e vimos a cidade por outro ângulo. Certamente, esse passeio é a melhor atividade que um turista pode fazer para conhecer a capital da Dinamarca.

O melhor de tudo é que não é caro! Foi graças a nossa guia Laura que explicou isso pra gente e fez a gente pagar mais barato!

Há quatro pontos onde é possível pegar o barco: dois no famoso canal de casinhas coloridas — Nyhavn— e outros dois próximo ao Palácio de Christiansborg.

Vendo um mercado de gastronomia do barco.

Os dois pontos principais de venda do bilhete para o passeio de barco estão bem sinalizados em ambos. Neles, você vai pagar 80 kr (≅ R$ 40) por pessoa.

Porém, próximo a cada um dos pontos principais, mas um pouco mais discreto, você encontra quiosques dos barcos Netto Boats, que custam 50 kr (≅ R$ 25) por pessoa. Ou seja, você paga quase metade do preço pelo mesmo passeio! Surreal.

A Casa de Ópera de Copenhague vista do barco

Haverá em cada ponto um lugar que vende por 80 kr e um de 50 kr. E detalhe que ambos os passeios têm o mesmo percurso, mesmo tempo de duração, mesmo modelo de embarcação, com guia explicando em várias línguas (normalmente, dinamarquês, inglês e alemão), a Laura que disse, pois ela já fez os dois.

Laura falou também que até já perguntou para a pessoa que vende o bilhete de 50 kr por que existe essa diferença de preço, e ela se enrolou para explicar e, no fim, não explicou nada.

Acho que Copenhague foi uma das cidades que eu mais gostei de visitar

Copenhague é tão linda, que não cansou de surpreender! Eu gostei muito da cidade toda, mas sem dúvida essa região que vem agora foi, pra mim, a melhor parte!

Conhecemos a famosa sociedade alternativa chamada Christiania.

A área é mantida pelos moradores que vivem um estilo de vida bem diferente.

É um mundo à parte da União Europeia, uma sociedade inspirada nos ideais hippies dos anos 60 e que funciona a partir de suas regras baseadas na liberdade e no senso de comunidade.

Aqui, poucas coisas são proibidas como, por exemplo, tirar fotografias em alguns locais e… correr (!). Apreciamos a experiência cultural incrível que foi visitar esse espaço único do mundo.

Uma rápida foto na sociedade alternativa de Christiania

Aqui assistimos ao pôr do sol, comemos, bebemos, curtimos o local e nos divertimos muito.

Viva a sociedade alternativa de Christiania!
“Em Christiania jogaram
Uma semente nesse quintal
De repente brotou
Um tremendo matagal”
Canção de Bezerra da Silva adaptada.

Fechamos com chave de ouro jantando no cartão postal da cidade, a região de Nyhavn.

Termino o post com ótimas recordações de Copenhagen.

Veja aqui a primeira parte de nossa viagem em Londres, Reino Unido ;

Veja aqui a segunda parte de nossa viagem em Estocolmo, Suécia ;

Veja aqui a quarta parte de nossa viagem em Bremen

Veja aqui dicas de Colônia, quinta parte da nossa viagem

Dinamarca Europa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: